fbpx

Pais devem impor limites na quarentena ou aliviar regras?

Se você flexibilizou certas regras para as crianças durante o isolamento e não sabe até que ponto isso é certo ou errado, saiba que você não está sozinho. Afinal, ninguém pode negar que aparelhos eletrônicos são soluções mais fáceis para conciliar o fato de que os pequenos não retomaram as idas à escola e muitos pais ainda estão trabalhando em home office. A pergunta que muitos pais e mães têm feito é: devemos impor limites na quarentena ou aliviar as regras?

De acordo com um estudo realizado pela companhia de tecnologia infantil Super Awesome, crianças de 6 a 12 anos estão passando pelo menos 50% do seu tempo mexendo em telas diariamente durante a quarentena do novo coronavírus. 

Se a discussão sobre o tempo de utilização de celulares, tablets, computadores e TVs já era grande, imaginem durante o isolamento social. “Os filhos não estão indo às escolas, os avós não podem contribuir com o monitoramento das crianças e os pais precisam lidar com os afazeres da casa e, ao mesmo tempo, trabalhar em esquema de home office. Todo esse novo contexto acende um importante sinal de alerta para o estresse tóxico”, alerta a pediatra Liubiana Arantes de Araújo, numa publicação da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) lançada para auxiliar os pais durante o confinamento. 

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

A médica explica que, se os pilares de saúde dos filhos não forem respeitados, a tensão diária e elevada gerada pela situação pode acarretar em diferentes transtornos. Assim, segundo ela, os pequenos podem sofrer várias consequências em curto prazo, como transtornos do sono, irritabilidade e baixa imunidade.

Equilíbrio

No entanto, não é necessário cortar totalmente os dispositivos da rotina. A saída é usar a tecnologia a favor da sua família. “Intercale filmes educativos com atividades lúdicas e brincadeiras. Você pode colocar um pouco de tela e ter uma presença de qualidade em vários momentos do dia”, completa a pediatra.

Em médio e longo prazos, ela explica, há a possibilidade de maior prevalência para atrasos no desenvolvimento, transtorno de ansiedade, depressão, queda no rendimento escolar e estilo de vida pouco saudável na vida adulta. Mas, no curto prazo, é possível conciliar as atividades em tela com brincadeiras e exercícios offline, como cozinhar com as crianças e realizar exercícios físicos, mesmo em casa, por exemplo.

“Intercale filmes educativos com atividades lúdicas e brincadeiras. Você pode colocar um pouco de tela e ter uma presença de qualidade em vários momentos do dia”.
Liubiana Arantes de Araújo, pediatra 

Confira as recomendações da Sociedade de Pediatria:

▶️ Os adultos devem discutir em conjunto as atividades prioritárias do dia a dia e estabelecer horários para realizar as tarefas e obrigações. Os afazeres devem ser preferencialmente intercalados de forma que as crianças recebam atenção e permaneçam sob supervisão, quando necessário. 
▶️ É fundamental realizar o planejamento da agenda dos filhos – sempre em comum acordo com as crianças – e incentivar o equilíbrio de horários para manter em dia as atividades de estudo e leitura, exercícios físicos, sono e ócio criativo.
▶️ O tempo de tela deve respeitar os limites definidos pela SBP para cada faixa etária. Evite a exposição de crianças menores de dois anos às telas, mesmo que passivamente.
▶️ Vale inserir as crianças e adolescentes nas tarefas domésticas respeitando a capacidade de acordo com a idade de cada um.
▶️ É importante também incluir na agenda momentos para que a família possa estar unida de forma alegre e prazerosa. Tente realizar as refeições junto.
▶️ Intercalar períodos de atividades físicas dentro do lar em mais de um horário do dia e, se possível, fazer as atividades em conjunto, com a participação de pais e filhos. Estimule a criatividade: criar circuitos com travesseiros e garrafas plásticas; pular corda; dançar; artes marciais, dentre outros.
▶️ Usar a tecnologia a favor de todos. Estimular os avós a terem conversas – por videoconferência – alegres, com momentos de descontração. Visualizar os avós em boa saúde pode tranquilizar as crianças. 
▶️ Os pais devem ensinar como higienizar corretamente as mãos, proteger o rosto ao espirrar ou tossir e evitar o contato físico. Esses cuidados devem ser um hábito diário, mesmo após a pandemia acabar. As orientações podem ser fornecidas por meio de ferramentas lúdicas, como músicas, leituras e brincadeiras.
▶️ É necessário conversar sobre a situação atual, com linguagem simples e adequada a cada idade. As informações devem ser transmitidas de forma tranquila para evitar medo, ansiedade e elevação do estresse. Importante ressaltar que as medidas atuais são formas de prevenção e a expectativa é de bons desfechos.
▶️ Os pais devem fornecer condições, a partir de um ambiente acolhedor e de apoio mútuo, para que os filhos expressem seus sentimentos e suas dúvidas.
▶️ Importante reservar um a dois momentos do dia para que os adultos possam se atualizar em relação às informações, sem expor as crianças a conteúdos inadequados.

Nas orientações, a SBP sugere, ainda, que os pais assumam o papel de referência, exercendo eles mesmos o padrão de comportamento que esperam dos filhos e respeitando os limites na quarentena. Além disso, a entidade reforça a necessidade de explicar para as crianças e adolescentes que o momento não é um período de férias, mas uma situação emergencial e transitória de reorganização social. 

Escola a distância 

Além disso, é importante lembrar que muitas atividades escolares também estão sendo mediadas pela tecnologia, o que aumenta a permanência dos pequenos ligados aos dispositivos eletrônicos e pede ressalvas no momento de decidir quais os limites na quarentena. 

Em entrevista à Revista Crescer, a pediatra Flávia Nassif, do Hospital Sírio Libanês, alerta que a utilização pode ser um bloqueio no desenvolvimento dos pequenos. Quando usados de forma excessiva, os dispositivos podem afetar o sono, atrapalhar na alimentação, prejudicar a audição, provocar dor nas costas e no ombro e gerar distúrbios visuais. 

Além de diminuir a socialização e aumentar a obesidade e o sedentarismo, pois as atividades físicas ficam em segundo plano. Por isso, também é essencial manter hábitos saudáveis do sono, pois o sono está diretamente relacionado ao bem-estar do seu filho e à redução de sentimentos de estresse e ansiedade. 

Vale dormir sempre no mesmo horário, inclusive nos finais de semana. Igualmente, vale observar a quantidade necessária de horas de sono para cada faixa etária. Inclusive, a Academia Americana de Medicina do Sono definiu esse número:

▶️ 4 a 12 meses: 12 a 16 horas de sono por dia, incluindo sonecas
▶️
1 a 2 anos: 11 a 14 horas de sono por dia, incluindo sonecas
▶️ 3 a 5 anos: 10 a 13 horas de sono por dia, incluindo sonecas
▶️ 6 a 12 anos: 9 a 12 horas de sono por dia
▶️ 13 a 18 anos: 8 a 10 horas

Equilíbrio e bom senso

Os especialistas recomendam também que as famílias evitem liberar o uso de equipamentos tecnológicos perto dos horários das refeições e antes de dormir, pois uma boa noite de sono é fundamental para o crescimento.

Como a situação que estamos vivendo é inédita e tem exigido de todos nós muitas mudanças de comportamento, é preciso equilíbrio e bom senso até mesmo na hora de impor limites na quarentena. Muitas famílias estão se reorganizando ainda, buscando uma nova forma de viver e conciliar a educação em casa com o trabalho e os cuidados com as crianças em tempo integral.

Não se culpe. O importante é ter bom senso para flexibilizar as regras. “Não deixe a criança ficar o tempo todo online. Em uma situação atípica, tudo bem tolerar um pouco, mas ficar só nesses dispositivos não é uma alternativa atraente. Tente organizar o seu tempo para que consiga ficar mais horas com o seu filho, ainda mais em um momento que todos estão estressados.”, reforça a pediatra a Flávia Nassif.

Influência positiva

Não é necessário cortar totalmente os dispositivos da rotina, mas utilize a tecnologia ao seu favor para colocar limites na quarentena. Diversifique as atividades, use a imaginação, estimule seu filho a brincar com papel, massinha ou bichos de estimação

As crianças ouvem, vêem e são diretamente influenciadas pela maneira como seus pais e cuidadores reagem a várias situações. Logo, pais que demonstram habilidades positivas na hora de impor limites na quarentena podem ajudar a tranquilizar as crianças que estão ansiosas ou estressadas. Por mais difícil que o momento esteja sendo para todos, pais tranquilos reduzem significativamente o estresse infantil.

One thought on “Pais devem impor limites na quarentena ou aliviar regras?

Comments are closed.