fbpx

Precisamos falar sobre o racismo com os nossos filhos

De um modo geral, ninguém nasce racista. Basta olhar a forma de agir de crianças menores para comprovar que elas não odeiam ou discriminam amiguinhos pela cor da pele, origem ou religião. Mas é preciso falar de um racismo silencioso, o chamado racismo estrutural, que nós adultos devemos combater todos os dias se quisermos criar crianças melhores e mais preparadas para conviver com a diferença ao longo da vida.

“Desde bebê, o filho precisa saber que existem pessoas diferentes e como lidar com elas”, resume a psicóloga Livia Marques, autora do livro Dandara e Vovó Cenira, em entrevista à Revista Crescer.

No livro, uma menininha negra sofre por ser diferente dos colegas da escola. Um dia, ela ouve da sábia avó a história de como aprendeu a gostar de seu cabelo e suas feições. Assim, a obra infantil nos ensina sobre o racismo, a importância de manter laços com nossa história familiar e incentiva a pensar sobre diversidade e respeito ao próximo.

Se quiser conhecer um pouco mais da obra da Livia Marques, dá para ler o primeiro capítulo de Dandara e Vovó Cenira clicando aqui. Mas antes convidamos você o leitor do nosso artigo a fazer uma autoavaliação sincera. Você faz piadas ou comentários negativos sobre os negros ou sobre cabelos crespos, por exemplo? Você usa, mesmo sem intenção de ofender, expressões como “cabelo de Bombril” ou “dia de branco”?

Com empatia, sem preconceito

Afinal, não adianta esperar que a criança lide com as diferenças na rua se, no ambiente familiar, temos comportamento oposto. Esse tipo de comportamento esconde o racismo estrutural de que falamos ali em cima. E, mesmo que a gente não perceba, ele contribui para que mais negros morram diariamente por causa da violência, para que menos mulheres cheguem a cargos de chefia nas empresas, para que pessoas com deficiência não possam trabalhar ou sair de casa e muitas outras desigualdades.

Além disso, dê uma olhada em volta: há diversidade no convívio do seu filho? De que forma ele é estimulado a lidar com as diferenças, entendendo que diferenças não são defeitos? Como os adultos próximos a ele se relacionam com pessoas de outras culturas, religiões, raça ou orientação sexual, por exemplo? 

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

Dizer que não somos preconceituosos, portanto, não basta para que nossos filhos também não sejam. Exemplos e atitudes valem mais do que palavras. Por isso, listamos 4 maneiras bem simples de estimular o respeito às diferenças no dia a dia. Elas não custam nada e, com certeza, vão ajudar pais e mães e criar crianças mais empáticas. Você vai ver como, lá na frente, isso fará uma enorme diferença para a vida de muitas e muitas famílias. 

1. Seja um exemplo

Quando a noção de igualdade e respeito está clara para o adulto, ela tende a ser naturalmente incorporada pelas crianças. Se o que ela vê em casa é o respeito com todos os seres humano, provavelmente vai reproduzir isso. Não tem idade certa e nem um dia específico para falar com o seu filho sobre discriminação. 

Conforme ele fizer perguntas sobre o assunto, converse com sinceridade e franqueza. Explique que as pessoas são  diferentes na aparência, mas devem ser respeitadas igualmente. Mostre que todos os seres humanos têm alturas diferentes, assim como peso, cor de pele, de olho e de cabelo. Da mesma forma, há diversas línguas e costumes pelo mundo. Até as brincadeiras que as crianças fazem no Brasil e em outros países mudam! 

E observe, sempre, as suas próprias atitudes com relação ao que vocês estão conversando. Crianças são muito instintivas e se espelham nas atitudes dos adultos em que confiam e que admiram.

2. Mostre a diversidade na prática

Com crianças menores, é bacana inserir referências diferentes, de outras culturas e raças, em suas brincadeiras, bonecos, personagens de desenho, músicas, passeios e por aí vai. Conforme ela for crescendo, o ideal é que o assunto faça parte das conversas em família de maneira transparente.

Nosso comportamento é pautado em exemplos. Por isso, é tão importante que a gente tenha valores bem estruturados na infância, para formar cidadãos mais conscientes. Os valores que se estabelecem na memória de uma criança permanecem e se transformam ao longo da vida, fortalecendo a importância do respeito por tudo, ainda que diferente.

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

Assim, uma maneira que pode ser eficiente para educar quanto ao respeito pela diversidade é a exposição a situações que podem ser reais, como a convivência da criança com pessoas diferentes dela, ou fictícias, como filmes, peças de teatro e livros que retratem diferenças. 

Também vale mostrar que existem reis e rainhas negros, bonecos e heróis como o Pantera Negra. A história e a mitologia africana e afrobrasileira são fonte de relatos incríveis, hoje descritos em diversas obras infanto-juvenis. Um exemplo é a história de Dandara e Vovó Cenira que mostramos ali em cima. Mas há muitos outros, que você pode buscar na internet.

3. Dê suporte

Caso o seu filho tenha sido discriminado por conta de alguma diferença, apoie-o, explique que os direitos são iguais para todos, independentemente de raça, cor ou religião. 

Casos de discriminação contra a criança devem ser denunciados no conselho tutelar da sua cidade, nas ouvidorias dos serviços públicos, na OAB e nas delegacias de proteção à infância e adolescência. Há diversas leis que protegem contra a discriminação e preveem punições para quem discrimina. 

Fique de olho, pois muitas vezes uma criança pequena não conseguirá verbalizar o que aconteceu com ela. Ela pode ficar mais amuada, quietinha. Essas mudanças de comportamento não podem passar batido, pois os efeitos negativos para o desenvolvimento infantil são graves. “A criança pode desenvolver transtornos de ansiedade, estresse pós-traumático, isolamento social e muitos outros que impactarão sua vida adulta”, aponta Livia. 

4. Não é brincadeira

Se o caso for o seu filho repercutir uma fala racista, independentemente da idade dele, não releve! Enquanto ele está “passando por uma fase” ou “fazendo uma brincadeira”, outra criança pode estar sofrendo e pode ter cicatrizes pelo resto da vida. Explique que é errado, mostre que aquele comportamento não é aceitável e reveja se é algo na dinâmica da família que está transmitindo ideias preconceituosas para ele.

Aproveite notícias de grande repercussão, como por exemplo o assassinato do ex-segurança George Floyd e a série de protestos que ela desencadeou pelo mundo, para falar sobre o assunto e tirar dúvidas dos pequenos, caso eles tenham. 

Leia também:
5 dicas para driblar o estresse infantil no isolamento

Observe também como o tema é tratado na escola. A escola é um excelente meio de convivência com a diversidade. Portanto, se alguma criança dá apelido à outra, por exemplo, ou trata o colega de forma discriminatória naquele ambiente, é função da escola conversar, para que as crianças entendam que todos têm semelhanças e diferenças. 

A conversa sobre o racismo deve continuar em casa, sempre com transparência e sinceridade. Mesmo tomando todo o cuidado, dialogando e agindo contra a discriminação, o racismo não vai sumir do dia para a noite. Ele existe há muito tempo e não é fácil eliminá-lo. 

Uma coisa é certa: a solução para o fim do preconceito está nas crianças. E por isso a responsabilidade dos adultos é tão grande em contribuir para a criação de pequenos cidadãos antirracistas. 

10 brincadeiras em casa para uma criança de 2 anos

Uma criança de 2 anos pode até testar nossa paciência com birras e atitudes irritantes. Mas tanto vigor tem a ver com as muitas emoções novas que elas estão experimentando nesta faixa etária, como mostramos neste post aqui. E algumas atividades podem canalizar a energia desta fase de grandes mudanças intelectuais, físicas, sociais e emocionais.

“Entre os 2 e 3 anos, a linguagem está realmente começando a se desenvolver. As crianças também começam a reconhecer que são seres independentes e a explorar ativamente seu mundo”, explica o psicólogo de crianças e adolescentes Robert Myers, professor de Psiquiatria e Comportamento Humano na Universidade da Califórnia. 

Myers acrescenta que os pais podem oferecer incentivo e apoio que permitem à criança de 2 anos dominar as principais tarefas de desenvolvimento. Um exemplo são as atividades de aprendizado práticas. 

Leia também:
A atividade física mais indicada para cada idade

Atividades com muita interação e brincadeiras imaginativas também são uma ótima pedida. “O relacionamento com pais ou responsáveis é fundamental para o desenvolvimento infantil”, acrescenta Roni Cohen Leiderman, autora do livro Let’s Play and Learn Together (ainda sem edição brasileira), um guia de 100 jogos, atividades e exercícios para promover habilidades cognitivas, motoras, de linguagem e de relacionamento nos bebês.

Inspiração e imaginação

Aliás, antes de ter filhos, quanto você exercitou os músculos da sua imaginação? Provavelmente não tanto quanto você faz agora! Fingir que você é uma princesa de fadas que tem que tomar leite na fazenda ou um pirata que precisa lutar contra um tubarão no oceano assustador farão você lembrar o quanto brincar é divertido. E esses momentos podem inspirá-lo de várias maneiras.

Portanto, com isso em mente, listamos 10 atividades simples de aprendizado para uma criança de 2 anos em casa. Eles vão divertir seu filho, ao mesmo tempo em que contribuem para o desenvolvimento dele.

1. Brincando de se vestir!

Arrume uma pilha de roupas velhas e deixe seu filho brincar de se vestir. “Você também pode participar, mas é ótimo incentivar a brincadeira em grupo com duas ou três outras crianças da mesma idade”, sugere o doutor Robert Myers.

⭐ Habilidades aprendidas:
Criatividade, imaginação, habilidades de linguagem e desenvolvimento social

2. Criando um porta lápis de cera

Cubra uma mesa com jornal ou papel craft. Em seguida, coloque dentro de uma sacola plástica tipo ziploc alguns pompons e lápis de cera. Deixe seu filho usar o bastão de cola para revestir a sacola Ziploc e colocar os pompons coloridos. Quando a sacola secar, ajude-o a guardar o giz de cera dentro dela. 

Leia também:
8 maneiras de ensinar matemática para crianças brincando

Outra deliciosa brincadeira para fazer com uma criança de 2 anos com pompons é criar um varal de fita crepe com pompons, que podem ser feitos com bolas de algodão coloridos ou bolas de papel amassados. Aproveite qualquer espaço de casa, como o corredor, por exemplo.

Então, cole a fita crepe de uma extremidade à outra das paredes, sempre com o lado colante virado para baixo. É possível se criar uma teia, por exemplo. Em seguida, fixe os pompons nas fitas e pronto! Estimule seu pequeno a pegar os pompons. 

⭐ Habilidades aprendidas:
Planejamento motor e criatividade ⭐

3. “Quente” ou “frio”

Para uma atividade interna fácil para crianças de 2 anos, esconda um brinquedo em algum lugar da casa e peça ao seu filho para encontrá-lo. Explore a casa com ela, usando as velhas dicas de “está quente” ou “está frio” para para guiá-la.

Leia também:
Ginástica para crianças, uma aliada no sucesso escolar

Você também pode usar lanternas para a pesquisa ou ocultar vários objetos ao mesmo tempo.

⭐ Habilidades aprendidas: 
Compreensão auditiva, resolução de problemas, habilidades sociais e memória ⭐

4. De barco pela casa

Coloque seu filho sentado em uma toalha ou cobertor e puxe-o com cuidado pela sala. Finja que o cobertor é um trem ou um barco e que você está parando em lugares diferentes, como o zoológico, o supermercado ou um restaurante favorito. Esta atividade para crianças de 2 anos em casa também ajuda a melhorar o equilíbrio!

⭐ Habilidades aprendidas: 
Equilíbrio e imaginação ⭐

5. Meu corpo, meu desenho

Faça seu filho se deitar em um pedaço grande de papel e trace o contorno do corpo dele. “Como a criança ainda precisa deitar-se para ser rastreada, ela aprende o autocontrole”, explica a doutora diz Roni Cohen Leiderman.

Leia também:
Como melhorar a concentração do seu filho em pequenas ações

Você pode mostrar a ele onde estão os olhos, nariz e boca ou pode deixá-lo pintar tudo. Não imponha nada! Apenas deixe que ele se divirtam, é a sugestão da especialista

Ah, uma observação importante: se o seu filho não quiser ficar parado, não o force. Comece traçando apenas a mão ou o pé, por exemplo. 

⭐ Habilidades aprendidas:
Senso de autocontrole e identificação de partes do corpo, habilidades de linguagem ⭐

6. Mamãe disse…

Comece com instruções simples (“Mamãe disse: toque os dedos dos pés”). Depois, passe para rotinas mais complexas (“Mamãe disse: puxe a orelha esquerda e depois a orelha direita”). Ações como começar e parar também ajudam no desenvolvimento do autocontrole de uma criança de 2 anos. Você também pode incentivar seu filho a pular, pegar alguma coisa e tudo o mais que a sua criatividade permitir. 

⭐ Habilidades aprendidas: 
Habilidades motoras brutas e linguagem receptiva ⭐

7. Crie uma colagem

Recorte diferentes narizes, olhos, cabelos e outros recursos de revistas antigas e dê para o seu filho. Incentive-o a montar criaturas engraçadas ou caretas com os recursos, colando as figuras em em um pedaço de papel. 

⭐ Habilidades aprendidas: 
Criatividade e linguagem ⭐

8. Música + desenho

Enquanto você canta uma das músicas favoritas do seu filho, faça um desenho simples do que está acontecendo nas letras e entregue a ele o papel para desenhar outra coisa mencionada na música, como a canção da Dona Aranha ou a canção da casinha torta sem janelinha e sem porta. Vá para frente e para trás até a música terminar.

⭐ Habilidades aprendidas: 
Habilidades linguísticas, criatividade e narrativa ⭐

9. Um bom bate-papo

Entregue uma boneca ou um brinquedo de pelúcia e incentive seu filho a segurar, conversar, vestir-se e cuidar dele. “Converse com a boneca da mesma maneira que conversaria com uma criança e incentive-a a fazer o mesmo”, diz Myers. Além das habilidades linguísticas, esta atividade  também ensina criatividade e imaginação para uma criança de 2 anos.

⭐ Habilidades aprendidas: 
Habilidades sociais, linguísticas e motoras finas, criatividade e imaginação ⭐

10. O jogo do caminho

Para a brincadeira começar, basta desenhar caminhos com fita crepe no chão. Varie as direções, fazendo caminho em linha reta, zig zag ou ida e volta. Peça à criança para seguir a linha e a diversão começou! 

⭐ Habilidades aprendidas: 
Equilíbrio e linguagem ⭐

8 maneiras de ensinar matemática para crianças brincando

Você já notou que atividades cotidianas como calcular o espaço para passar entre duas pessoas, ir ao supermercado ou cozinhar são, no fundo, operações matemáticas? A matemática para crianças pode até parecer um bicho-papão, mas basta um pouquinho de intimidade pra ver que os números não são tão maus assim. Então, que tal ajudar os pequenos a se aproximarem deste universo de forma leve e divertida? Separamos 8 opções para ensinar matemática para crianças brincando!

Jogos de tabuleiro

Jogos com labirintos, explorações de subterrâneos e cavernas com tesouros escondidos, por exemplo, ensinam às crianças os conceitos de sequência, tamanho, geometria, espaço e contagem. Jogos um pouco mais complexos, como Banco Imobiliário, dão dicas sobre gerenciamento de valores. 

Leia também:
Ginástica para crianças, uma aliada no sucesso escolar

Enquanto isso, jogos como Velha, Damas e Xadrez são grandes aliados no aprendizado de lógica e estratégia. O bingo também é uma ótima opção para crianças a partir de 3 anos. Ele é bem simples e pode ser uma maneira divertida para as crianças praticarem o reconhecimento de números.  

Matemática na cozinha

Já mostramos aqui no blog alguns benefícios de cozinhar com as crianças. E é impressionante como também na cozinha existem inúmeras possibilidades de ensinar matemática para crianças. 

As crianças podem ler uma receita e então saber a medida ou quantidade dos ingredientes necessários para o prato escolhido. Operações de divisão ou multiplicação para reduzir ou aumentar porções, dependendo de quantas pessoas vão ser servidas, também podem entrar na brincadeira.

Leia também:
Comer com a mão ajuda o desenvolvimento infantil

Crianças pequenas podem ser desafiadas a adicionar três colheres de farinha ou quatro ovos. Já crianças maiores podem receber como missão uma divisão de frações, por exemplo, ou quem sabe completar uma receita por conta própria. 

Quebra-cabeças

Outra maneira de fazer seu filho aprender brincando é com o bom e velho quebra-cabeça. Para os mais novinhos, as versões mais simples já ajudam a desenvolver raciocínio espacial. Versões com mais peças ou imagens mais complexas trabalham habilidades ligadas a tamanhos, formas, sequências e ordenação na hora de agrupar as peças.

Leia também:
Como melhorar a concentração das crianças em pequenas ações

Lego

As peças de lego são outra ótima ferramenta para que os pequenos comecem a construir seu senso numérico e raciocínio. Afinal, o Lego é um jogo de montagem que estimula a criatividade e trabalha habilidades matemáticas. Ao realizar as montagens, somos levados a pensar sobre as regras de encaixe, de simetria, de arquitetura e de lógica.

O mesmo vale para outros brinquedos que funcionam com blocos de construção, sejam eles em papelão, madeira ou outro material. O fato é que construir, organizar e planejar estruturas coerentes e lógicas vai exigir pelo menos matemática básica, habilidades de engenharia e geometria.

Tamanho, forma e sequência entram em cena e, a partir do método de tentativa e erro, elas vão descobrindo o que funciona melhor.

Aplicativos de celular

Não adianta fugir: o celular acaba sendo um grande aliado como passatempo e na hora de ensinar matemática para crianças. Em outras palavras, com atenção ao excesso, bom senso e na hora certa, esses dispositivos nos ajudam, e muito, na educação dos pequenos.

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

⭐ O Math is Fun, por exemplo, é direcionado aos bem novinhos, mas que já começam a ter contato com conceitos básicos como reconhecer e ordenar números e até contar.

⭐ O Math Bingo estimula a criançada a descobrir soluções para equações de somar, subtrair, multiplicar e dividir nas suas cartelas, com os níveis avançando gradualmente, de acordo com a aprendizagem.

⭐ Já o Rei da Matemática coloca o pequeno como agricultor e vai avançando de nível à medida que responde a perguntas de matemática, acumulando pontos, ganhando estrelas e atingindo objetivos. 

Só não pode ficar parado

Não é segredo para ninguém que a prática esportiva faz bem para a saúde, disciplina, espírito de equipe e de competição, não é mesmo? Mas muita gente se esquece como as atividades físicas ajudam também nas habilidades matemáticas. 

Com os esportes, as crianças aprendem a calcular quantos pontos são necessários para uma classificação, qual o melhor ângulo para um chute, quantos pontos valem cada arremesso no basquete e muito mais. É curioso que, muitas vezes, elas nem se dão conta de que estão desenvolvendo habilidades cognitivas.

Leia também:
A atividade física mais indicada para cada idade

Na The Little Gym, mesclamos o  desenvolvimento físico com aprendizagem experiencial para crianças de 4 meses a 12 anos de idade. Nossa filosofia de Aprendizagem Tridimensional utiliza as atividades físicas como fio condutor para o desenvolvimento integral dos alunos, a partir de três eixos principais:

⭐ Mexa-se!

Atividades físicas para “queimar” toda aquela energia acumulada, aumentar a flexibilidade e a força, desenvolver o equilíbrio e a coordenação, melhorar a agilidade e o ritmo e contribuir para o condicionamento físico em geral. Um verdadeiro “trampolim” para uma vida de aventuras.

⭐ Cérebro Turbinado!

Projetadas para expandir a mente e desenvolver o interesse pela aprendizagem, as atividades buscam exercitar a concentração e o processo de tomada de decisão, contribuir para o processo cognitivo e melhorar a criatividade, além de auxiliar na realização das tarefas escolares.

⭐ Criança Cidadã!

Trabalha o desenvolvimento da independência, da socialização, da cooperação e da integração aos novos ambientes, além de valorizar a paciência, as boas maneiras e a capacidade de ouvir, introduzindo ainda noções de ética e sustentabilidade. – todas habilidades que irão contribuir para o desenvolvimento integral das crianças.

Você também pode colocar seu pequeno para se mexer com as aulas em casa da The Little Gym, um projeto que criamos especialmente para ajudar as crianças a se movimentarem durante o isolamento imposto pela pandemia do coronavírus. As aulas estão disponíveis no nosso canal do Youtube, divididas por faixa etária, com atividades para crianças ATÉ 3 ANOS, de 3 A 6 ANOS e de 6 A 12 ANOS. 

Clique aqui para acessar as aulas online da The Little Gym.

Aprendendo no supermercado

O supermercado é literalmente um prato cheio para ensinar matemática para crianças. Na seção de frutas e verduras, por exemplo, você pode ensinar sobre pesos, medidas e comparações. Você pode pedir para que seu filho calcule quanto já foi gasto, quanto seria o troco para determinado valor, quantas maçãs cada membro da família vai receber se levarem um quilo e assim por diante.

São muitas e muito divertidas as possibilidades.

A matemática da mesada

Uma das melhores maneiras de ensinar seu filho a gerenciar seu próprio dinheiro desde cedo é a mesada. Ao dar uma pequena quantia para que ele gaste como quiser, você não vai apenas ensinar matemática para crianças, mas vai também explicar que o dinheiro deve ser usado com cautela.

O planejamento financeiro será útil para toda a vida.

Portanto, dá para aproveitar vários momentos do dia a dia para motivar as crianças a gostarem de matemática. No futuro, isso com certeza vai fazer muita diferença!

Ginástica para crianças, uma aliada no sucesso escolar

Uma pesquisa da Escola de Educação de Harvard confirma o que temos visto na prática, durante 40 anos de ginástica para crianças e adolescentes:  a prática de exercícios físico caminha juntinho com desenvolvimento intelectual dos pequenos. Segundo o estudo, alunos que fazem ginástica tendem a ter mais sucesso na escola, e isso tem uma enorme ligação com características como determinação, coragem, persistência e equilíbrio.

 A pesquisa ouviu mais de 4 mil adolescentes e concluiu que a prática constante de atividades físicas estimula o que eles chamam de “mentalidade de crescimento”, além da capacidade de manter um estilo de vida equilibrado. De acordo com os pesquisadores, as mesmas características contribuem para que as crianças tivessem sucesso na sala de aula.

Leia também:
5 dicas para driblar o estresse infantil durante a quarentena

Antes de darmos uma olhada nas conclusões do estudo de Harvard, um convite: assista às aulas virtuais da The Little Gym em Casa, um projeto que criamos especialmente para ajudar as crianças a se movimentarem durante o isolamento imposto pela pandemia do coronavírus. As aulas estão disponíveis no nosso canal do Youtube, divididas por faixa etária, com atividades para crianças ATÉ 3 ANOS, de 3 A 6 ANOS e de 6 A 12 ANOS. 

Clique aqui para acessar as aulas online da The Little Gym.

 Agora, voltando ao estudo de Harvard, vamos ao que ele concluiu:

1 – A ginástica desenvolve determinação

Determinação é a qualidade que faz você continuar tentando fazer uma determinada atividade ou alcançar algo que é difícil. Simplesmente assista a uma ginasta iniciante aprendendo um dos primeiros passos de sua modalidade e você verá na prática o que estamos querendo dizer. 

2 – A ginástica cultiva a coragem 

Correr a toda a velocidade rumo a um objeto e se lançar sobre ele? Balançar-se uma barra pendurada no ar? Desafiar a lei da gravidade regularmente? Quem faz ginástica pode até enfrentar algum desconforto e ter medo, mas escolhe fazer e superar etapas. Uma das principais características de quem tem coragem!

3 – A ginástica estimula a persistência

Caia sete vezes, levante-se oito. O provérbio japonês é muito lembrado por quem pratica atividades ligadas à ginástica olímpica e outras modalidades de ginástica. Desenvolver essa qualidade permite que a criança ou adolescente continue fazendo algo ou tentando fazer algo, mesmo que seja difícil … Isso é a definição de persistência, não?

4 – Quem faz ginástica ganha uma mentalidade de crescimento

Para quem pratica exercícios físicos regularmente, é praticamente impossível não acreditar que nossas habilidades mais básicas podem ser desenvolvidas através de dedicação e trabalho duro. Caso contrário, por que alguém que pratica uma atividade física se incomodaria com a regularidade?

Melhor ainda é saber que uma mentalidade de crescimento ajuda a criar amor pelo aprendizado e resiliência, que é essencial para grandes realizações. 

Leia também:
Comer com a mão ajuda o desenvolvimento infantil

Já conheceu um praticante de ginástica que não gostava de aprender coisas novas ou que deixou de realizar uma coisa porque teria que enfrentar uma dificuldade ou depois de um revés? Nem nós.

5 – A ginástica exige um estilo de vida equilibrado

Com as crianças não é diferente. De acordo com a neurocientista Christina Hinton, professora da Escola de Educação de Harvard, “os resultados sugerem que a coragem não exige esforço a todo custo, mas sim cultivar habilidades saudáveis ​​de regulação emocional e estratégias eficazes de aprendizado”. 

Quem pratica ginástica entende isso. A importância do sono, da nutrição adequada, de reservar um tempo para a família, por exemplo, são noções que vêm junto com a prática física e a disciplina, desde os primeiros passos dos nossos jovens atletas. 

Raciocínio e memória

É importante destacar ainda que exercícios físicos praticados por crianças e adolescentes em idade escolar cooperam na concentração e fixação dos conteúdos ensinados em sala de aula. Além disso, o movimento estimula o raciocínio lógico e a memória. 

A concentração é outra que ganha muito com os exercícios. Por fim, vale ressaltar que práticas físicas ajudam a ativar a circulação dos músculos do corpo, corrigem posturas inadequadas e auxiliam na oxigenação do cérebro, o que está diretamente ligado, também, ao progresso nos estudos. 

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

Quanto mais variada e cheia de estímulos for a prática, melhor para o desenvolvimento da criança. No Brasil, estima-se que 7,3% das crianças menores de cinco anos estejam acima do peso. Na América do Sul, são 2,5 milhões de crianças com sobrepeso ou obesidade. Alimentação incorreta e sedentarismo são as principais causas.

Por isso, incentivar os pequenos a começarem desde cedo a praticar uma atividade é essencial para que eles se habituem com um estilo de vida em movimento. 

 Veja a seguir a melhor atividade física para cada idade:

O incentivo à prática de atividades físicas deve vir literalmente de berço. Bebês devem ser estimulados desde cedo a movimentos para alcançar, puxar ou empurrar objetos. Ao começar a engatinhar, a criança deve ser levada a explorar ambientes seguros, sempre sob o olhar atento de um adulto.

Ajudá-lo a superar obstáculos, como almofadas e travesseiros em cima de um edredom, por exemplo, contribui para o desenvolvimento físico e emocional.

As crianças dessa faixa etária devem fazer pelo menos 3h de atividades físicas de qualquer intensidade distribuídas ao longo do dia. Jogar bola ou andar de bicicleta, brincar de pique-esconde ou pega-pega, jogos, corridas ou outras atividades que estimulem a coordenação motora são super indicadas.

Leia também:
Os benefícios de deixar as crianças na cozinha 

A partir dessa idade, os pequenos já estão prontos para aproveitar atividades estruturadas como natação, ioga, danças, lutas e esportes coletivos.

Esportes como futebol, vôlei, natação, handebol e ciclismo, ginástica rítmica e artística, entre outras atividades, são algumas das práticas recomendadas para crianças a partir de 6 anos.

Durante pelo menos 1 hora por dia, por pelo menos três vezes por semana, elas ajudam a fortalecer e a desenvolver e músculos e ossos, além de estimularem habilidades físicas como ritmo, agilidade, força, coordenação, equilíbrio e velocidade.

Quer conhecer as atividades que a The Little Gym oferece para cada faixa etária? Clique aqui e veja os nossos programas ou fale com a nossa equipe.

5 dicas para driblar o estresse infantil no isolamento

Seu filho está estressado ou ansioso com o isolamento social exigido pela pandemia do coronavírus? Você não está sozinha. Agora, mais do que nunca, a ansiedade nas crianças está aumentando. Dessa forma, é nosso trabalho como pais ou responsáveis tentar aliviar o estresse infantil. Então, confira estas 5 dicas que separamos para ajudar. 

1 – Mexa-se 

Estudos mostram que a prática de atividade física está associada a níveis mais baixos de reatividade ao estresse infantil. Atualmente, em casa, se for possível opte por uma atividade de movimentação ao ar livre. Experimente um jogo de futebol em família ou t-ball. Do mesmo modo, dar uma volta ao redor do quarteirão enquanto pratica distanciamento social é uma opção. Também vale sintonizar-se com a experiência de aula virtual The Little Gym em Casa para se movimentar na sala de estar.

As unidades da The Little Gym em Vitória (ES) e em São Paulo (SP) têm feito diversas atividades em vídeo para crianças de diferentes faixas etárias, com o objetivo de divertir e desenvolver diversas habilidades. As aulas estão disponíveis no nosso canal do Youtube, divididas por faixa etária, com atividades para crianças ATÉ 3 ANOS, de 3 A 6 ANOS e de 6 A 12 ANOS. 

Clique aqui para acessar as aulas online da The Little Gym.

2 – Implemente uma rotina diária

Em tempos de incerteza, as rotinas são ainda mais importantes. Ao criar uma rotina diária para seu filho, você pode ajudá-lo a obter uma sensação de independência, confiança, segurança e controle. Isso também ajudará os pais a encontrar e gerenciar o novo normal enquanto os tempos exigirem flexibilidade. E, de quebra, contribui para reduzir o estresse infantil.

Recentemente, falamos sobre isso aqui, mostrando dicas para pais e mães que precisam conciliar o home office com a escola em casa dos pequenos enquanto durar a quarentena.

Nosso objetivo é ajudá-los a obter equilíbrio entre deixar seus filhos diante do computador ou celular 16 horas por dia e montar uma escola em casa  completa. Uma das dicas é pegar leve para entender que a programação em casa não será exatamente igual à da escola. Vale também levar em consideração a importância de manter uma rotina matinal.

Leia o texto completo aqui mesmo no nosso blog, clicando aqui.

3 – Ofereça um modelo de comportamento positivo

As crianças ouvem, vêem e são diretamente influenciadas pela maneira como seus pais e cuidadores reagem a várias situações. Logo, pais que demonstram habilidades positivas para lidar com o estresse podem ajudar a tranquilizar as crianças que estão ansiosas ou estressadas. Pais tranquilos reduzem significativamente o estresse infantil.

4 – Pratique hábitos positivos de sono

O sono está diretamente relacionado ao bem-estar do seu filho. Uma boa noite de sono pode ajudar a reduzir sentimentos de estresse e ansiedade. 

Leia também:
Os benefícios de deixar as crianças na cozinha 

Por esse motivo, é importante implementar uma rotina também para dormir. Vale dormir sempre no mesmo horário, inclusive nos finais de semana. Igualmente, vale observar a quantidade necessária de horas de sono para cada faixa etária. Inclusive, a Academia Americana de Medicina do Sono definiu esse número:

  • 4 a 12 meses: 12 a 16 horas de sono por dia, incluindo sonecas
  • 1 a 2 anos: 11 a 14 horas de sono por dia, incluindo sonecas
  • 3 a 5 anos: 10 a 13 horas de sono por dia, incluindo sonecas
  • 6 a 12 anos: 9 a 12 horas de sono por dia
  • 13 a 18 anos: 8 a 10 horas

5 – Mantenha a conversa aberta e fluida 

Agora, mais do que nunca, é importante manter o diálogo aberto com seu filho para que ele saiba que pode conversar com você sobre seus sentimentos sobre o que está acontecendo. 

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

Primeiro, é importante reservar um tempo para ouvir seu filho, se ele tiver alguma preocupação, você quer que ele o procure primeiro. Segundo, certifique-se de fornecer informações precisas, o Ministério da Saúde tem um espaço em seu site dedicado a tirar dúvidas sobre o coronavírus é um ótimo recurso para obter as informações mais atualizadas. Certifique-se de mantê-lo leve para não induzir medo. Terceiro, assegure ao seu filho que você está tomando as precauções corretas para manter sua família segura. 

Sabemos que essa fase difícil vai passar. E não se esqueça: conte com a The Little Gym e com a nossa equipe para ajudar você e seu pequeno a encontrar dias de equilíbrio enquanto estivermos nessa turbulência!

E lembre-se: as unidades da The Little Gym em Vitória (ES) e em São Paulo (SP) têm feito diversas atividades em vídeo para crianças de diferentes faixas etárias, com o objetivo de divertir e desenvolver diversas habilidades. As aulas estão disponíveis no nosso canal do Youtube, divididas por faixa etária, com atividades para crianças ATÉ 3 ANOS, de 3 A 6 ANOS e de 6 A 12 ANOS. 

Escola em casa: como manter a rotina escolar durante a Covid-19

Embora algumas regras com relação ao isolamento social exigido pelo coronavírus estejam sendo alteradas, com reabertura de lojas, por exemplo, ainda temos pela frente grandes chances de seguir em casa com as crianças por mais um período. Então, aqui vão algumas dicas para ajudar pais e mães que precisam conciliar o home office com a escola em casa dos pequenos enquanto durar a quarentena.

Nosso objetivo é ajudá-los a obter equilíbrio entre deixar seus filhos diante do computador ou celular 16 horas por dia e montar uma escola em casa  completa. Uma dica é pegar leve para entender que a programação em casa não será exatamente igual à da escola. Vale também levar em consideração a importância de manter uma rotina matinal. 

Nos intervalos da escola em casa, sugerimos colocar a criançada para se mexer! As unidades da The Little Gym em Vitória (ES) e em São Paulo (SP) têm feito diversas atividades em vídeo para crianças de diferentes faixas etárias, com o objetivo de divertir e desenvolver diversas habilidades.

As aulas estão disponíveis no nosso canal do Youtube, divididas por faixa etária, com atividades para crianças ATÉ 3 ANOS, de 3 A 6 ANOS e de 6 A 12 ANOS. 

Clique aqui para acessar as aulas online da The Little Gym e confira a seguir outras ideias sobre o que fazer enquanto a escola está fechada.

Equilíbrio entre lazer e escola em casa

Tente encontrar um equilíbrio entre o tempo de lazer e a escola em casa. “A TV e o computador são ótimos, mas não deixe que seus filhos passem o dia inteiro na frente da tela, por mais tentador que seja. Você pode incorporar um pouco de aprendizado ao dia deles”, alerta a professora infantil Tammy Molnar. 

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

Reserve um tempo, por exemplo, para montar um experimento científico, jogar jogos de matemática ou ler livros com eles. Jogar jogos de tabuleiro e plantar um jardim com temperinhos também são ótimas dicas. 

Passar um tempo na cozinha também é diversão garantida e muito aprendizado! Além de divertida, a atividade traz muitos benefícios a longo prazo para os pequenos. Cozinhar traz confiança, habilidades aprimoradas de leitura e matemática e gosto por um estilo de vida mais saudável. O hábito também ajuda a lidar com a sobrecarga de informações e serve como um respiro para adultos e crianças. 

Falamos mais sobre isso aqui.

Começando o dia com o pé direito

Não deixe sua rotina matinal de cair no esquecimento. Todos sabemos o quanto é tentador ficar de pijama o dia todo, esticar o sono por mais algumas horas ou alterar os horários nesse período de escola em casa. 

A maioria dos pais tira de letra quando as crianças estão em casa, um dia ou dois, em caso de doença ou algum imprevisto. Mas, com o coronavírus forçando o fechamento de escolas em todo o país e as medidas de distanciamento social levando muitos de nós a trabalhar em casa, a coisa complicou. O que precisamos é de uma programação realista, que ajudará a aliviar parte da tensão deste momento.

Leia também:
Crianças em casa: 5 dicas para criar uma rotina realista durante a quarentena

Afinal, muitas pesquisas apontam que precisamos de rotina para prosperar, pois ela nos proporciona uma sensação de segurança. Nesses tempos de incerteza, as crianças precisam disso mais do que nunca. Levante-os, alimente-os com café da manhã e organize as tarefas de trabalho e estudo.

Mesmo se você estiver super estressado com a sua lista de tarefas, uma boa estratégia para não deixar a peteca cair durante esse período de escola em casa é começar o dia desenvolvendo pouco de atividades com seu filho. Isso ajudará a prepará-lo para que seja mais independente no resto do dia. 

Falamos mais sobre isso aqui.

Lugar de estudo fixo

Deixe um espaço destinado especificamente para os estudos. Seus filhos têm um espaço na sala de aula, então por que não dar a eles um espaço em casa? “Não precisa estar em uma sala separada”, diz Natalie Cottrell, mãe que estuda em casa e fundadora da Grasshopper Academics, uma empresa que fornece currículo, arquivos para download, consultas on-line e visitas domiciliares a famílias de escolas em todo o país. 

A única determinação é que o lugar seja fixo e determinado.

Lembre-se de que seus filhos aprendem sem você o dia inteiro na escola e podem fazê-lo em casa também. Só precisam de orientação. Assim, eles podem brincar e estudar de forma independente enquanto você faz alguma outra atividade ou trabalho.

Planejar é preciso

Você escreve sua lista de tarefas para a casa e também para o trabalho? Faça o mesmo para uma ou duas aulas diárias. Preparação e planejamento ajudam muito no desenvolvimento das atividades. 

Vale também ficar atenta às respostas da criança e ser flexível. Ter uma folga da escola é uma grande oportunidade para eles praticarem escolher o que trabalhar em si mesmos e experimentar a profunda concentração que se segue.

Comece com um plano, se não por outro motivo, a fim de aliviar sua própria ansiedade, mas esteja aberto aos lugares inesperados que seu dia poderia percorrer e às maneiras únicas que seu próprio filho aprende. 

Também pode ser um ótimo momento para conversar com o professor de seu filho para ver se há algo em particular em que ele precisa trabalhar.

Defina expectativas razoáveis ​​para você e seus filhos

Não há problema em admitir que seus filhos provavelmente não receberão o mesmo nível de instrução a que estão acostumados. “A menos que você seja um educador treinado, defina expectativas razoáveis ​​para você e seu filho durante esse período temporário de encerramento da escola”, diz Brian Galvin, diretor acadêmico da Varsity Tutors, uma plataforma de aprendizado ao vivo que conecta perfeitamente especialistas e alunos em qualquer disciplina, em qualquer lugar, a qualquer momento.

Leia também:
Vá de Marie Kondo: um guia para organizar brinquedos na quarentena

Lembre-se também que, como nós, adultos, crianças tendem a ficar ansiosas e amedrontadas em situações como essa. É possível que elas achem difícil entender o que estão vendo na internet ou na TV, mas não devemos descartar que os pequenos se sintam particularmente vulneráveis. Ter conversas frequentes, abertas e solidárias com as crianças pode ajudá-las a entender, lidar e até dar uma contribuição positiva para os outros. 

Falamos mais sobre isso aqui

É importante lembrar que, se seus filhos tiverem preocupações, abordá-las com ele pode aliviar a ansiedade. As crianças observam os comportamentos e emoções dos adultos em busca de dicas sobre como gerenciar seus próprios emoções em tempos difíceis. 

Com informações dos sites parceiros da The Little Gym Motherly e Red Tricycle.

Crianças em casa: 5 dicas para criar uma rotina realista

A maioria dos pais tira de letra quando as crianças estão em casa, um dia ou dois, em caso de doença ou algum imprevisto. Mas, com o coronavírus forçando o fechamento de escolas em todo o país e as medidas de distanciamento social levando muitos de nós a trabalhar em casa, a coisa complicou. Então, precisamos de um novo plano. Uma programação diária simples e flexível que ajudará a aliviar parte da tensão deste momento.

Veja como criar uma programação realista:

Estime suas horas de trabalho

Trabalhe com sua equipe para descobrir suas principais prioridades nas próximas semanas, tendo em mente que milhões de pessoas estão enfrentando a mesma situação com crianças em casa e talvez não seja possível obter uma semana de trabalho completa toda semana durante o fechamento da escola.

Priorizar é a chave.

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

Observe sua carga de trabalho no início de cada semana e calcule quantas horas você precisará para concluir tudo o que precisa ser feito. Use esse número para descobrir quantas horas você precisará por dia.

Programe turnos se puder

Para quem tem um parceiro, vale conversar e descubrir quais turnos você pode dividir com ele neste momento de crianças em casa. Programe com antecedência quem está no serviço de paternidade e quem está no trabalho naquele horário. Por exemplo, um pode trabalhar das 6h às 13h e o outro, das 13h às 20h.

Essa é uma programação normal? Não, mas oferece sete horas de trabalho todos os dias.

Dedicar um tempo para se comunicar e elaborar um plano que priorize o tempo para vocês dois ajudará muito a evitar problemas nas próximas semanas.

Construa um jogo independente

Embora possa parecer melhor tentar fazer o trabalho enquanto brinca com seus filhos, na realidade isso é uma meta difícil de ser atingida. As crianças ficam frustradas quando sentem que realmente não estamos prestando atenção nelas. E, naturalmente, também odiamos quando somos interrompidas 15 vezes enquanto tentamos enviar um único e-mail.

Leia também:
Os benefícios de deixar as crianças na cozinha 

Em vez disso, enquanto estiver com as crianças em casa, programe um horário todos os dias em que você espera que seu filho aprenda de forma independente. Isso pode ser difícil no começo, mas ele vai se adaptar se você for firme. Realmente ajuda se atividades independentes forem agendadas no mesmo horário todos os dias. Pense em que horas seu filho pode ter mais sucesso aprendendo de forma independente. Uma dica: provavelmente não é no final da tarde!

Planeje trabalhar ao lado de seu filho em meio período

Tenha momentos em sua programação diária, onde você trabalha ao lado do seu filho. Isso vai ajudá-lo a ser independente. Crie uma lista de projetos, como uma redação sobre um livro de historinha, por exemplo, que ele pode fazer enquanto vocês estiverem sentados juntos, com você trabalhando. Mesmo uma criança mais nova pode ter algum tempo para desenhar ou colorir enquanto você trabalha na mesma mesa.  

Mantenha-se adaptável e realista

Muitos de nós rimos da planilha otimista de “programação diária” que os pais compartilharam quando as escolas começaram a fechar.

Você começou com uma programação que incluía uma hora de ioga, artes e ofícios, seguida de algumas horas de leitura independente, perfeitamente programadas para as reuniões da tarde, mas nada disso funcionou? Saiba que você não está sozinho! 

Em vez de criar um cronograma com base nas atividades que você deve planejar todos os dias e correr o risco de se seu filho perder o interesse ou uma reunião aparecer no seu calendário, tente criar um cronograma com base nos tipos de tempo em família que incorporam esses elementos básicos para essa temporada com crianças em casa. Por exemplo:

  • Tempo de conexão familiar 
  • Tempo de aprendizado independente 
  • Tempo de aprendizagem com a sua orientação
  • Hora da refeição e lanche 
  • Descanso
  • Tempo de jogo independente 
  • Tempo de tela ou tempo de tecnologia 

A seguir, colocamos um exemplo real de programação com base nesses blocos. É claro que você pode fazer o que quiser, mas o importante é que você e seu filho saibam que tipo de tempo com a família esperar todos os dias.

É especialmente útil que isso aconteça em uma programação consistente, o que dará uma sensação vital de normalidade a esses tempos muito estranhos.

7h: Despertar + se conectar com as crianças

Mesmo se você estiver super estressado com a sua lista de tarefas, uma boa estratégia é começar o dia desenvolvendo pouco de atividades com seu filho. Isso ajudará a prepará-lo para que seja mais independente no resto do dia.

Você também pode usar esse tempo para trabalhar com ele no aprendizado: leia junto após o café da manhã, pratique as habilidades matemáticas que ele estiver aprendendo ou trabalhe em uma atividade ou lição enviada para casa da escola pelo professor do seu filho.

9h: Separe os materiais escolares

Passe alguns minutos ajudando seu filho a iniciar o dever de casa, caso a escola tenha enviado algum, e depois trabalhe ao lado dele. Se não tiver deveres da escola, nossa dica é colocá-lo para montar um projeto de Lego, um quebra-cabeças ou algum tipo de arte que ele ame o suficiente para brincar de forma independente.

12h: Almoço

Dentro do possível, guarde os telefones celulares e mantenha o foco na refeição. Essa dica vale não apenas para o período de quarentena com crianças em casa, mas para qualquer período!

13h: Cochilo para crianças pequenas, brincadeira independente para as mais velhas

No caso de filhos que já passaram da idade de hora do cochilo, estabeleça um “tempo de silêncio” regular ou um tempo de jogo independente no quarto após o almoço. É importante que isso aconteça aproximadamente à mesma hora todos os dias (ou pelo menos no mesmo ponto da sua rotina diária).

15h: Hora opcional da tela

Passe alguns minutos se reconectando ao seu filho após o término da brincadeira independente e, em seguida, convém liberá-lo para mais um tempo de tela, especialmente se você ainda tiver trabalho a fazer e não tiver um parceiro com quem trocar. Se você não quiser o tempo da tela, uma opção é colocar um áudio livro infantil.

Para uma criança mais velha, você também pode usar esse tempo para atribuir tarefas acadêmicas a serem concluídas. Peça-lhes que leiam alguns capítulos de um livro ou solicitem que escrevam uma história criativa.

16h: Façam algumas tarefas juntos

Se todo mundo estiver em casa o dia todo fazendo mais do que a quantidade normal de bagunça, uma coisa é clara: manter a casa limpa é tarefa de toda a família agora. Você simplesmente não terá tempo ou energia para fazer isso sozinho.

Portanto, convoque seu filho para ajudar nas tarefas domésticas. As crianças pequenas geralmente gostam de dobrar a roupa ou ajudar com a louça e cozinhar. Qualquer que seja a idade do seu filho, há uma tarefa apropriada à idade que ele pode fazer para ajudar em casa.

Leia também:
Vá de Marie Kondo: um guia para organizar brinquedos na quarentena

Pode ser que filhos acostumados a ter toda a sua atenção sempre que estão em casa se aborreçam nos primeiros dias. Mas não se preocupe! As crianças são adaptáveis ​​e realmente são capazes de brincar e aprender de forma independente. Afinal, eles trabalham e brincam sem a gente na escola o tempo todo!

Crie um cronograma simples, avalie após uma semana ou mais e faça as alterações necessárias para o período com crianças em casa. Lembre-se, mamãe: estamos todos juntos nisso e vamos superar isso!

Texto originalmente publicado em inglês no site Mother.ly.

Vá de Marie Kondo: um guia para organizar brinquedos na quarentena

Marie Kondo é uma especialista em organização pessoal, empresária e escritora japonesa. Eleita pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do planeta, Kondo escreveu quatro livros sobre organização pessoal, que venderam milhões de cópias e foram traduzidos para mais de 40 idiomas. Por isso, não temos dúvida em dizer: vá de Marie Kondo nesta quarentena, para organizar brinquedos no quarto de seus filhos ou na sala de brinquedos! Veja dicas da especialista japonesa e outras.

A PREPARAÇÃO

Faça um plano

Uma boa maneira de começar a organizar brinquedos é identificar o que você deseja realizar durante a limpeza. Existem brinquedos antigos que podem ser doados ou vendidos em um bazar? Seu filho precisa de mais espaço para livros? Anote as tarefas que deseja executar e vai se sentir melhor com o trabalho.

Comece onde você está

É o impulso motivacional secreto para o que pode parecer uma tarefa assustadora. Como recomenda a jornalista Jennifer Landis, criadora do blog Mindfulness Mama, qualquer projeto de limpeza deve começar com UM lugar. Neste caso, você já escolheu o quarto do seu filho ou o quarto dos brinquedos, certo?

Leia também:
Os benefícios de deixar as crianças na cozinha 

Independentemente de você utilizar um quarto para todos os fins ou ter uma sala específica para as brincadeiras, pegue suas sacolas “para guardar”, “doar” e “jogar fora” e vá em frente na tarefa de organizar brinquedos!

Mexa-se!

Se já faz um tempo desde que você aspirou os cantinhos do quarto pela última vez, é hora de mudar as coisas de lugar, ou pelo menos arrastá-las para o meio da sala, como recomenda a guru Marie Kondo.

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

Não é apenas a melhor maneira de limpar cantos e recantos, mas também um ótimo jeito de deixar você mais atenta ao que decide guardar na hora de organizar brinquedos.

O QUE JOGAR FORA

As coisas do bebê que cresceu

Você ainda tem travesseiros, carrinhos ou brinquedos de bebê, mesmo que seus filhos já tenham crescido? Caso você não pretenda aumentar a família, talvez seja hora de repassá-los para as mamães com filhos mais novos ou doar para quem precisa.

Recicle, transformando antigas caixas para guardar fraldas em caixas de organizar brinquedos ou recipientes de menores em um espaço de organização do lápis de cor, por exemplo.

Qualquer coisa quebrada

Uma boa maneira de começar a jogar fora na hora de organizar brinquedos é escolher as coisas que estão quebradas. Aquela bolsa que perdeu o feixe? Três partes de um brinquedo que, sem o resto, não servem para nada? Pedaços de giz de cera que você sabe que nunca transformará em pequenos materiais de colagem? Deixe tudo ir e aproveite a sala para respirar!

Pequenos brinquedos aleatórios

Sabe aqueles pequenos brinquedos de plástico que seus filhos ganharam nas festas dos amiguinhos ou da escola e até hoje não entraram na lista de favoritos em suas brincadeiras? Então, na hora de organizar brinquedos jogue fora. 

Coisas que seus filhos não amam

Vamos admitir que esta será uma batalha, mas se o seu pequeno acumulador tiver idade suficiente para realizar a tarefa de decidir o que ele ama realmente e o que não ama, isso será uma maravilhosa oportunidade de doar os brinquedos que estão boa condição. 

Leia também:
Como melhorar a concentração das crianças em pequenas ações

Se ele de repente quiser se tornar inseparável de cada coisinha que você tentar descartar, isso será um verdadeiro entrave para a sua organização pelo método Marie Kondo. 

Afinal, para ela, a primeira pergunta que devemos fazer diante de qualquer arrumação é: “Este objeto me traz felicidade”. Em caso negativo, conforme determina a guru da arrumação, descarte.

Roupas e sapatos muito pequenos

As crianças crescem rapidamente nos primeiros anos. Antes que a gente perceba, as calças estão muito curtas e os sapatos, apertados. Faça um balanço honesto do que seu filho realmente veste (geralmente são algumas das roupas favoritas) e elimine o que é superado, manchado ou simplesmente não é o estilo do seu filho. 

As intermináveis ​​pilhas de papel

Coroas reais de aniversários passados? Cadernos há muito tempo rabiscados? Livros de colorir do passado? Que tal todos os namorados da escola ou lembrancinhas? Na hora de organizar brinquedos, dê uma olhada rápida em qualquer coisa que indique o gênio artístico inicial, depois recicle, recicle, recicle.

Decoração desatualizada

Você mudou a arte da parede do seu filho em idade pré-escolar, instalada quando ele era bebê? É bom mudar as coisas de vez em quando. Se você planeja ter mais filhos, guarde a doce girafa bebê e atualize as paredes.

Leia também:
Comer com a mão ajuda o desenvolvimento infantil

Na internet há dezenas de milhares de materiais de impressão para parede ou murais.

Livros rasgados e quebrados

Enquanto pequenos corpos superam as roupas, grandes mentes e imaginação superam os livros. Se as prateleiras do seu pequeno leitor estão clamando por espaço, é hora de salvar alguns títulos do coração e doar o resto.

A MANUTENÇÃO

Limpe regularmente 

Agora que a maior parte do trabalho pesado de organizar brinquedos terminou, economize tempo no futuro, passando por esse processo de limpeza regularmente, principalmente após aniversários e feriados.

Não ignore as pequenas coisas 

Brinquedos e peças pequenas costumam migrar para debaixo do sofá. Em vez de gastar tempo todos os dias remanejando-os para caixas individuais, considere ter uma caixa grande ou uma daquelas bolsas de tecido divertidas, que também faz maravilhas para peças de LEGO, conjuntos de trem e jogos para fazer comidinhas. A melhor parte? A limpeza é literalmente uma coisa fácil, mesmo para os mini fabricantes de bagunça.

Não exagere no armazenamento

É um pouco contra-intuitivo, mas ouça. Somos todos a favor de maneiras elegantes e sensatas de organizar – e as soluções de armazenamento são certamente as chaves para uma sala limpa. Mas todas as caixas a mais que você comprar serão de alguma forma preenchidas. Trabalhe com o que você precisa para minimizar o excesso. E lembre-se: a resposta nem sempre é armazenar. 

Salve o material que seu filho ama

Nós, pais, somos uma das maiores razões pelas quais é tão difícil se livrar do que nossos filhos superaram, tanto física quanto no desenvolvimento. É emocional! Lembramos de quando ele saiu para o primeiro dia do jardim de infância naquele moletom ou naquele dinossauro de brinquedo que carregava por absolutamente todos os lugares!

Leia também:
Descubra a melhor atividade física para cada faixa etária

Por isso, selecione peças para guardar de lembrança e o resto já sabe: des-car-te.

Crie “novos” brinquedos 

Com tudo arrumado, a última coisa que você (ou seu orçamento) deseja fazer é se apressar para preencher o quarto ou sala de brinquedo com coisas novas. Na próxima vez em que as crianças implorarem por novidades, seja criativo! Caixas de suco cheias de areia criam blocos de empilhamento incríveis e rolhas se transformam em selos. Existem muitas razões pelas quais você deveria reciclar. Experimente! 

Destine momentos para a desorganização

Quarto de criança é quarto de criança. Por isso, deve dar a impressão de que uma criança vive e brinca lá, o que significa que algumas coisas extras às vezes são apenas parte da diversão e é maravilhoso mantê-las por ali. Então, relaxe e lembre-se de que, na próxima vez que a confusão se acumular, você já tem as técnicas para minimizar o estrago. 

Confira os benefícios de deixar as crianças na cozinha

Cozinhar traz muitos benefícios a longo prazo para os pequenos, incluindo maior confiança, habilidades aprimoradas de leitura e matemática e gosto por um estilo de vida mais saudável. Além disso, em períodos de recolhimento forçado como o que estamos vivendo por causa do coronavírus ter as crianças na cozinha funciona também como um passatempo super divertido.

Esse hábito ajuda a lidar com a sobrecarga de informações e serve como um respiro tanto para adultos quanto para crianças. Veja mais benefícios:

Elas comem melhor

Crianças envolvidas na criação de suas refeições são mais propensas a comer melhor e mais estimuladas a manter uma alimentação saudável. 

Cozinhar ajuda a desenvolver habilidades matemáticas

Sim, você leu certo. Afinal, quase todas as receitas requerem medições e contagens precisas. Dê ao seu filho uma tarefa pedindo que ele conte quantos ovos entram na receita de almôndegas ou quanto óleo entra em um lote de brownies, por exemplo.

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

Este pode ser um jogo de culinária divertido que ajudará as crianças a aprender a contar, adicionar e até a resolver frações básicas.

A compreensão e a leitura também melhoram

Ler uma receita, entender as instruções passo a passo e entender exatamente o que mexer, misturar ou dobrar ajuda não apenas no sucesso do produto final como também estimula a alfabetização e a audição.

Então comece com receitas fáceis para crianças, nas quais elas podem fazer parte de todo ou quase todo o processo.

Cozinhar constrói confiança e auto-estima

Dar às crianças na cozinha a oportunidade de se envolverem na conclusão de uma refeição proporciona uma sensação de realização nos pequenos. Se eles cozinharam batatas, criaram uma pizza ou ajudaram a fazer uma sobremesa especial, deixe-os saber o que fizeram foi importante.

Eles ficaram felizes e se sentirão estimulados ao saber que isso ajudou no resultado final.

Leia também:
Como melhorar a concentração das crianças em pequenas ações

O desenvolvimento infantil e a sensação de sucesso andam de mãos dadas.

Cozinhar ajuda a falar sobre bem-estar do corpo

Quando as crianças colocam a mão literalmente na massa, isso serve de exemplo para um estilo de vida saudável. Cozinhar é uma ótima forma para falar sobre o bem-estar do corpo e as razões pelas quais precisamos comer alimentos saudáveis.

Inclusive colocar as crianças na cozinha e convidá-las a se envolver em compras de supermercado e preparação de refeições promove hábitos saudáveis ​​que trazem benefícios ao longo da vida!

Você vai ver que cozinhar em família é tão legal que provavelmente vocês vão continuar com esse hábito depois que a pandemia passar e a rotina de escola, família e atividades na The Little Gym voltar ao normal!

Como falar com as crianças sobre o coronavírus e deixá-las tranquilas

Muitos adultos estão um pouco desnorteados com tudo o que estamos ouvindo sobre o coronavírus. Por isso, também é compreensível que suas crianças estejam ansiosas. É possível que elas achem difícil entender o que estão vendo na internet ou na TV, mas não devemos descartar que os pequenos se sintam particularmente vulneráveis. Então, como falar com as crianças sobre o coronavírus ? 

Afinal, aulas suspensas, pais e mães trabalhando em casa, isolamento e a exigência de lavar as mãos e higienizar com álcool em gel… Como explicar as mudanças na rotina trazidas pelo coronavírus, de forma a deixá-las tranquilas?

Ter uma conversa aberta e solidária com as crianças pode ajudá-las a entender, lidar e até dar uma contribuição positiva para os outros. A Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Unicef, órgão das Nações Unidas que tem como objetivo promover a defesa dos direitos das crianças e contribuir para o seu desenvolvimento, divulgaram orientações sobre como falar com as crianças sobre o coronavírus.

Leia também:
Oito aplicativos que vão ajudar o bebê a dormir como um anjinho

Vale lembrar que crianças têm uma taxa de infecção bem menor do que a dos adultos. Mesmo assim, OMS e Unicef defendem que os cuidados com as crianças devem ser os mesmos, e que elas também podem ficar ansiosas e deprimidas com as mudanças na rotina impostas pelo coronavírus.

Então, listamos a seguir as principais as orientações para que todos passem por esse momento da forma mais amena possível. Veja como falar com as crianças sobre o coronavírus:

Dicas da OMS:

Ajude as crianças a encontrar maneiras positivas de expressar sentimentos como medo e tristeza. 

Toda criança tem sua própria maneira de expressar emoções. Às vezes, se engaja em uma atividade criativa, como brincar e desenho pode facilitar esse processo. As crianças sentem-se aliviadas se puderem expressar e comunicar seus sentimentos em um ambiente seguro e solidário.

Mantenha as crianças próximas e à família, no caso, claro, de famílias seguras. 

Evite ao máximo separar as crianças de seus cuidadores habituais. Se uma criança precisar ser separada de prestador de cuidados primários, garanta a prestação de cuidados alternativos adequados e equivalentes.

Leia também:
Como melhorar a concentração das crianças em pequenas ações

Além disso, garanta que durante os períodos de separação, a criança mantenha contato regular com os pais e cuidadores habituais. Neste caso, chamadas por telefone, ou vídeo ou outra comunicação apropriada à idade (por exemplo, mídias sociais, dependendo da idade) podem ajudar. 

Mantenha rotinas familiares tanto quanto possível ou crie novas rotinas agradáveis para os pequenos. 

Com as crianças em casa, é importante proporcionar atividades apropriadas para cada idade. Em tempos de estresse e crise, é comum que as crianças busquem mais apego e sejam mais exigente para os pais. Discuta o COVID-19 com seus filhos de maneira honesta e apropriada.

Se seus filhos tiverem preocupações, abordá-los juntos pode aliviar sua ansiedade. As crianças observam os comportamentos e emoções dos adultos em busca de dicas sobre como gerenciar seus próprios emoções em tempos difíceis. 

Dê o máximo de atenção possível, respeitando as suas próprias necessidades de trabalho e horários.

As crianças podem responder ao estresse de diferentes maneiras, como como sendo mais pegajoso, ansioso, retraído, zangado ou agitado, fazendo xixi na cama, por exemplo. Responda às reações de seu filho de maneira solidária, ouvir suas preocupações e dar-lhes amor e carinho extra atenção. As crianças precisam do amor e atenção dos adultos durante

tempos difíceis. Dê a eles tempo e atenção extras. Lembre-se de ouvir seus filhos, falar gentilmente e avaliá-los. Se possível, crie oportunidades para a criança brincar e relaxar.

Dicas do Unicef

Faça perguntas abertamente e ouça a criança.

Comece convidando a criança a falar sobre o assunto. Descubra o quanto ela já sabe e siga a partir daí. Se ela é muito nova e ainda não ouviu falar sobre o surto, talvez você não precise levantar a questão – apenas aproveite a oportunidade para lembrá-la sobre boas práticas de higiene sem introduzir novos medos.

Verifique se você está em um ambiente seguro e permita que ela fale livremente. Desenhos, histórias e outras atividades podem ajudar a começar uma conversar.

Mais importante ainda, não minimize ou se esquive das preocupações da criança. 

Assegure-se de reconhecer os sentimentos dela e lhe garantir que é natural sentir medo dessas coisas. Demonstre que está ouvindo, prestando toda a atenção ao que ela fala e tenha certeza de que ela entende que pode conversar com você e seus professores sempre que quiser.

Explique a verdade de uma forma que a criança entenda.

As crianças têm direito a informações verdadeiras sobre o que está acontecendo no mundo, mas os adultos também têm a responsabilidade de mantê-las protegidas dos problemas. Use uma linguagem apropriada para a idade, observe suas reações e seja sensível ao seu nível de ansiedade.

Se você não sabe responder às perguntas delas, não invente. Use isso como uma oportunidade para explorar as respostas juntos. Explique que algumas informações online não são precisas e que é melhor confiar nos especialistas.

Mostre à criança como proteger ela mesma e os amigos.

Uma das melhores maneiras de manter as crianças protegidas contra o coronavírus e outras doenças é simplesmente incentivar a lavagem regular das mãos. Não precisa ser uma conversa assustadora. Cante junto com a Galinha Pintadinha ou com o Palavra Cantada, ou siga esta dança para tornar o aprendizado divertido:

Você também pode mostrar às crianças como cobrir o nariz e a boca com o cotovelo flexionado ao tossir ou espirrar, explicar que é melhor não ficar muito perto das pessoas que apresentem esses sintomas.

E pedir, ainda, para que digam a você se começarem a sentir mal-estar, como dores no corpo, corpo quente, fraqueza, tremedeira, podem ser sintomas de febre, e se estiverem com tosse ou dificuldade em respirar.

Ofereça segurança.

Quando vemos muitas imagens perturbadoras na TV ou online, às vezes pode parecer que a crise está ao nosso redor. As crianças podem não distinguir entre imagens na tela e sua própria realidade pessoal, e podem acreditar que estão em perigo iminente.

Você pode ajudar sua criança a lidar com o estresse, criando oportunidades para ela brincar e relaxar, quando possível. Mantenha rotinas e agendas regulares o máximo possível, principalmente antes da hora de dormir, ou ajude a criar novas rotinas em um novo ambiente.

Se você estiver enfrentando um surto na sua região, lembre a suas crianças de que elas não estão propensas a contrair a doença, que a maioria das pessoas que têm coronavírus não fica muito doente e que muitos adultos estão trabalhando duro para manter sua família segura.

Se sua criança ficar doente, explique que ela deve ficar em casa (ou no hospital, se for o caso), porque é mais seguro tanto para ela quanto para seus amigos. Tranquilize-a dizendo que você sabe que é difícil (talvez assustador ou até um tédio) algumas vezes, mas que seguir as regras ajudará a manter todos em segurança.

Verifique se elas estão sendo estigmatizadas ou espalhando estigmas.

O surto de coronavírus trouxe numerosos relatos de discriminação racial em todo o mundo, por isso é importante verificar se suas crianças não estão enfrentando nem contribuindo para o bullying.

No momento de falar com as crianças sobre o coronavírus, explique que a doença não tem nada a ver com a aparência de alguém, sua origem ou o idioma que falam. Se elas sofreram bullying na escola, devem se sentir à vontade para contar a um adulto em quem confiam.

Lembre a suas crianças que todos merecem estar seguros na escola. O bullying está sempre errado e cada um de nós deve fazer a nossa parte para espalhar a gentileza e apoiar um ao outro.

Procure quem pode ajudar.

É importante para a criança saber que as pessoas estão ajudando umas às outras com atos de bondade e generosidade.

Compartilhe histórias de profissionais da saúde, cientistas e jovens, entre outros, que estão trabalhando para interromper o surto e manter a comunidade segura. Pode ser um grande conforto saber que pessoas compassivas estão agindo.

Cuide de você.

Você poderá ajudar melhor suas crianças pelo seu próprio exemplo. As crianças assimilarão a sua resposta às notícias, o que as ajudará a saber que você está calmo(a) e no controle. Isso faz toda a diferença no modo como falar com as crianças sobre o coronavírus.

Se você estiver ansioso(a) ou chateado(a), reserve um tempo para si mesmo(a) e procure outras famílias, amigos e pessoas de confiança em sua comunidade. Reserve algum tempo para fazer coisas que o(a) ajudem a relaxar e se recuperar.

Encerre as conversas com cuidado.

Ao explicar para as crianças sobre o coronavírus, é importante saber que não estamos deixando as crianças em perigo. À medida que a conversa termina, tente avaliar o nível de ansiedade observando a linguagem corporal, considerando se elas estão usando o tom de voz habitual e prestando atenção à sua respiração.

Lembre a crianças que elas podem ter outras conversas difíceis com você a qualquer momento. Lembre-as de que você se importa, está ouvindo e está disponível sempre que elas se sentirem preocupadas.