fbpx

Escola em casa: como manter a rotina escolar durante a Covid-19

Embora algumas regras com relação ao isolamento social exigido pelo coronavírus estejam sendo alteradas, com reabertura de lojas, por exemplo, ainda temos pela frente grandes chances de seguir em casa com as crianças por mais um período. Então, aqui vão algumas dicas para ajudar pais e mães que precisam conciliar o home office com a escola em casa dos pequenos enquanto durar a quarentena.

Nosso objetivo é ajudá-los a obter equilíbrio entre deixar seus filhos diante do computador ou celular 16 horas por dia e montar uma escola em casa  completa. Uma dica é pegar leve para entender que a programação em casa não será exatamente igual à da escola. Vale também levar em consideração a importância de manter uma rotina matinal. 

Nos intervalos da escola em casa, sugerimos colocar a criançada para se mexer! As unidades da The Little Gym em Vitória (ES) e em São Paulo (SP) têm feito diversas atividades em vídeo para crianças de diferentes faixas etárias, com o objetivo de divertir e desenvolver diversas habilidades.

As aulas estão disponíveis no nosso canal do Youtube, divididas por faixa etária, com atividades para crianças ATÉ 3 ANOS, de 3 A 6 ANOS e de 6 A 12 ANOS. 

Clique aqui para acessar as aulas online da The Little Gym e confira a seguir outras ideias sobre o que fazer enquanto a escola está fechada.

Equilíbrio entre lazer e escola em casa

Tente encontrar um equilíbrio entre o tempo de lazer e a escola em casa. “A TV e o computador são ótimos, mas não deixe que seus filhos passem o dia inteiro na frente da tela, por mais tentador que seja. Você pode incorporar um pouco de aprendizado ao dia deles”, alerta a professora infantil Tammy Molnar. 

Leia também:
Como falar com as crianças sobre o coronavírus

Reserve um tempo, por exemplo, para montar um experimento científico, jogar jogos de matemática ou ler livros com eles. Jogar jogos de tabuleiro e plantar um jardim com temperinhos também são ótimas dicas. 

Passar um tempo na cozinha também é diversão garantida e muito aprendizado! Além de divertida, a atividade traz muitos benefícios a longo prazo para os pequenos. Cozinhar traz confiança, habilidades aprimoradas de leitura e matemática e gosto por um estilo de vida mais saudável. O hábito também ajuda a lidar com a sobrecarga de informações e serve como um respiro para adultos e crianças. 

Falamos mais sobre isso aqui.

Começando o dia com o pé direito

Não deixe sua rotina matinal de cair no esquecimento. Todos sabemos o quanto é tentador ficar de pijama o dia todo, esticar o sono por mais algumas horas ou alterar os horários nesse período de escola em casa. 

A maioria dos pais tira de letra quando as crianças estão em casa, um dia ou dois, em caso de doença ou algum imprevisto. Mas, com o coronavírus forçando o fechamento de escolas em todo o país e as medidas de distanciamento social levando muitos de nós a trabalhar em casa, a coisa complicou. O que precisamos é de uma programação realista, que ajudará a aliviar parte da tensão deste momento.

Leia também:
Crianças em casa: 5 dicas para criar uma rotina realista durante a quarentena

Afinal, muitas pesquisas apontam que precisamos de rotina para prosperar, pois ela nos proporciona uma sensação de segurança. Nesses tempos de incerteza, as crianças precisam disso mais do que nunca. Levante-os, alimente-os com café da manhã e organize as tarefas de trabalho e estudo.

Mesmo se você estiver super estressado com a sua lista de tarefas, uma boa estratégia para não deixar a peteca cair durante esse período de escola em casa é começar o dia desenvolvendo pouco de atividades com seu filho. Isso ajudará a prepará-lo para que seja mais independente no resto do dia. 

Falamos mais sobre isso aqui.

Lugar de estudo fixo

Deixe um espaço destinado especificamente para os estudos. Seus filhos têm um espaço na sala de aula, então por que não dar a eles um espaço em casa? “Não precisa estar em uma sala separada”, diz Natalie Cottrell, mãe que estuda em casa e fundadora da Grasshopper Academics, uma empresa que fornece currículo, arquivos para download, consultas on-line e visitas domiciliares a famílias de escolas em todo o país. 

A única determinação é que o lugar seja fixo e determinado.

Lembre-se de que seus filhos aprendem sem você o dia inteiro na escola e podem fazê-lo em casa também. Só precisam de orientação. Assim, eles podem brincar e estudar de forma independente enquanto você faz alguma outra atividade ou trabalho.

Planejar é preciso

Você escreve sua lista de tarefas para a casa e também para o trabalho? Faça o mesmo para uma ou duas aulas diárias. Preparação e planejamento ajudam muito no desenvolvimento das atividades. 

Vale também ficar atenta às respostas da criança e ser flexível. Ter uma folga da escola é uma grande oportunidade para eles praticarem escolher o que trabalhar em si mesmos e experimentar a profunda concentração que se segue.

Comece com um plano, se não por outro motivo, a fim de aliviar sua própria ansiedade, mas esteja aberto aos lugares inesperados que seu dia poderia percorrer e às maneiras únicas que seu próprio filho aprende. 

Também pode ser um ótimo momento para conversar com o professor de seu filho para ver se há algo em particular em que ele precisa trabalhar.

Defina expectativas razoáveis ​​para você e seus filhos

Não há problema em admitir que seus filhos provavelmente não receberão o mesmo nível de instrução a que estão acostumados. “A menos que você seja um educador treinado, defina expectativas razoáveis ​​para você e seu filho durante esse período temporário de encerramento da escola”, diz Brian Galvin, diretor acadêmico da Varsity Tutors, uma plataforma de aprendizado ao vivo que conecta perfeitamente especialistas e alunos em qualquer disciplina, em qualquer lugar, a qualquer momento.

Leia também:
Vá de Marie Kondo: um guia para organizar brinquedos na quarentena

Lembre-se também que, como nós, adultos, crianças tendem a ficar ansiosas e amedrontadas em situações como essa. É possível que elas achem difícil entender o que estão vendo na internet ou na TV, mas não devemos descartar que os pequenos se sintam particularmente vulneráveis. Ter conversas frequentes, abertas e solidárias com as crianças pode ajudá-las a entender, lidar e até dar uma contribuição positiva para os outros. 

Falamos mais sobre isso aqui

É importante lembrar que, se seus filhos tiverem preocupações, abordá-las com ele pode aliviar a ansiedade. As crianças observam os comportamentos e emoções dos adultos em busca de dicas sobre como gerenciar seus próprios emoções em tempos difíceis. 

Com informações dos sites parceiros da The Little Gym Motherly e Red Tricycle.

Como melhorar a concentração das crianças em pequenas ações

O carnaval passou, as férias acabaram e agora é hora de muitas famílias colocarem seus filhos de volta, e de uma vez por todas, na rotina de estudos. A transição do período de descanso para a volta às aulas costuma ser difícil para todos. Para ajudar o seu pequeno aluno a começar o ano letivo com o pé direito, estimular o desenvolvimento infantil e o sucesso escolar, aqui vão algumas estratégias para melhorar a concentração das crianças.

Comece o dia com o pé direito

As manhãs costumam ser as partes mais agitadas do dia. Geralmente é difícil para os adultos manterem o foco nas tarefas sem atraso. Então não é surpresa que seja uma das partes mais difíceis do dia também para muitas crianças. De manhã, tente dar um tempo extra para os pequenos começarem o dia com calma. Estabeleça uma rotina matinal e ajude seu filho a cumpri-la. Isso também vai melhorar a concentração das crianças. Especialmente para crianças pequenas, muitas vezes é difícil manter o foco nas dez coisas que elas precisam fazer para sair pela porta. Portanto, faça um plano claro e talvez você nem precise gritar “Coloque os sapatos!” dez vezes enquanto você sai correndo pela porta.

Comida para o cérebro

Há uma razão para os especialistas dizerem que o café da manhã é a refeição mais importante do dia. Começar o dia com comida saudável permite um começo melhor para o cérebro. Iogurte, ovos e frutas como maçã, abacate, banana e mirtilos são ótimas opções. Nozes e queijo magros também são alimentos que podem ajudar a manter o foco do seu filho durante o dia, melhorando a concentração na rotina de estudos e estimulando o desenvolvimento infantil.

Tenha expectativas razoáveis

Dependendo da idade de seu filho, separe um tempo apropriado para que seu ele mantenha o foco em uma tarefa específica, lembrando que o interesse pessoal em um tópico ou projeto é geralmente o motivador mais importante para que alguém, adulto ou criança, consiga prestar atenção. Trabalhando sozinho, uma criança em idade pré-escolar, por exemplo, pode passar de dois a três minutos em uma tarefa escolhida por um adulto – como se vestir ou pegar brinquedos.

Leia também:
Como colocar as crianças para dormir sem confusão

Aos cinco anos, a maioria das crianças pode ignorar pequenas distrações. Sozinhos, eles se concentrarão em uma única atividade por 10 ou 15 minutos e em uma tarefa designada por quatro a seis minutos, se for fácil e interessante. Respire fundo e lembre-se de que aquele pequeno córtex cerebral ainda está se formando!

Programe um tempo para a pausa

Embora seja fácil sentir que a primeira coisa que uma criança deve fazer depois de chegar em casa é a lição de casa, muitas delas realmente se beneficiam de uma pausa antes de começar uma atividade mais estruturada. Depois de se concentrar um período inteiro na escola e de estar em um ambiente estruturado, um pouco de tempo de inatividade pode ajudar o cérebro do seu filho a fazer uma pausa necessária antes de avançar para a próxima tarefa, garantindo menos frustração e colapsos ao longo do caminho e contribuindo para o desenvolvimento infantil.

Organize o ambiente para a lição de casa

É uma boa ideia ter um local de trabalho livre de distrações, configurado para estimular a concentração infantil e a rotina de estudos. Se o seu filho funcionar na presença de outras pessoas, configure um recanto de lição de casa na sala de jantar, na cozinha ou na sala de estar, por exemplo.

Leia também:
Seu filho não sai do celular? Veja como trazê-lo de volta

Se os irmãos estão brincando, coloque-os em lugares separados. No espaço de estudos, verifique se a mesa e a cadeira são adequadas ao tamanho do seu filho: os pés não devem ficar pendurados no chão e os cotovelos devem poder descansar sobre a mesa sem que ele precise se inclinar.

Organize-se

O espaço de trabalho do seu filho não precisa ser digno de uma revista, mas você certamente pode incentivá-lo a guardar as coisas depois de terminar as tarefas e manter a área em ordem. Desenvolva um sistema com pastas, caixas de plástico ou outra maneira que funcione para sua família. Dessa forma, é menos provável que os exercícios e as tarefas do seu filho se percam e o espaço estará organizado para na próxima vez em que ele se sentar para fazer a lição de casa e manter a rotina de estudos em ordem.

Faça uma lista de objetivos

Ter uma lista clara de objetivos é útil para todas as crianças. Às vezes, não é que uma criança não consiga se concentrar, é que elas estão lutando para descobrir no que devem se concentrar. Antes de abordar uma tarefa ou sessão de estudo, crie uma lista de objetivos.

Leia também:
Descubra a melhor atividade física para cada faixa etária

Exatamente como acontece também com a maioria dos adultos, Ter diretrizes claras ajuda a acalmar a mente de uma criança e a manter o foco.

Divida tarefas maiores em tarefas menores

Encarar uma planilha tendo que lidar com grandes problemas de matemática ou estudar um capítulo inteiro de um assunto pode ser uma tarefa difícil para qualquer criança. Sempre ajuda dividir a tarefa em perguntas ou parágrafos para que a criança tenha uma sensação de realização. Trabalhar em tarefas menores ajuda a combater a sensação de estar sobrecarregado e permite uma repetida auto-realização que alimentará a motivação de seu filho. Isso funciona não apenas na lição de casa, mas também nas tarefas domésticas e outras obrigações em casa.

Releve as pequenas coisas

Especialmente no caso de crianças menores de nove anos, o dever de casa não precisa ser uma fonte de perfeição. Apenas a obrigação de fazer a lição de casa em si pode ser desgastante para crianças pequenas. Então tente resistir ao desejo de insistir em ter toda a lição de casa perfeitamente escrita. Em muitas séries anteriores, os professores estão ainda menos preocupados com questões como palavras com erros ortográficos em um trabalho de escrita, para que a criança possa se concentrar principalmente em colocar as ideias no papel. Parabenizar seu filho pelo que ele consegue entregar produz mais sucesso do que críticas e ajuda a criança a estabelecer confiança em projetos futuros.

Inclua intervalos para atividades físicas

Como todos os pais sabem, no período de desenvolvimento infantil as crianças têm muita energia e precisam gastá-la. Hoje, muitas escolas até agendam intervalos para ajudar as crianças a combater isso com alguns polichinelos, alongamentos ou até pequenos passos de dança. Você pode adaptar essa ideia em casa também.

Leia também:
4 ideias para criar crianças melhores em 2020

Trabalhe em pequenos intervalos que incentivem a atividade física: caminhar pela rua (ar fresco é um bônus!), subir e descer as escadas, por exemplo, são boas opções. Apenas certifique-se de que o intervalo não se arraste por muito tempo, lembrando ao seu filho que ele pode retomar a atividade física depois que os deveres da escola forem concluídos.

Pratique a respiração abdominal

Respirar com a barriga é uma habilidade importante para  as crianças e ajuda muito nos momentos em que elas são confrontadas com tarefas desafiadoras que podem deixá-las ansiosas. Sentir-se oprimido e ansioso leva à distração – o inimigo da concentração. Portanto, estimular esse hábito simples nos seus filhos pode ajudá-los a combater sentimentos ligados à ansiedade e colocá-los de volta nos trilhos. De quebra, vai ajudar a melhorar a concentração das crianças.

Estimule a atenção plena

Nos últimos tempos, a atenção plena, também chamada de mindfulness, transformou-se num chavão. Mas, na verdade, essa prática envolve apenas focar sua consciência e reconhecer seus pensamentos e sentimentos. Praticar a atenção plena pode ser útil para pessoas de todas as idades. Quando o seu filho se distrair, peça a ele que faça uma pausa de cinco minutos para ficar quieto e pense um pouco sobre o que o está distraindo e sobre e como ele pode se concentrar na tarefa daquele momento.

Priorize o sono

Uma mente bem descansada é a chave para a melhorar a concentração das crianças. Crie uma rotina noturna que garanta muitas horas de descanso para o seu pequeno. Verifique quantas horas de sono por noite uma criança precisa, com base na idade, e agende de acordo com isso. Afinal, é fundamental ter aquele momento de descanso para ajudar o cérebro a recarregar as baterias para o dia seguinte! Manter o sono em dia é outra coisa fundamental para melhorar a concentração das crianças.

Seja um bom modelo no quesito FOCO

As crianças estão nos observando a cada momento do dia. Se possível, sente-se ao lado de seu filho enquanto faz sua própria “lição de casa”. Seja uma tarefa do escritório, seja a leitura de um livro ou o pagamento das contas domésticas, quando seu filho o vê silenciosamente se concentrando em uma tarefa ele será incentivado a seguir seu exemplo. Faça um esforço para restringir o uso de computadores e telefones durante esse período, mostrando ao seu filho que isso ajuda a minimizar as distrações.

Reserve um tempo para algo divertido

Todo mundo precisa de um tempo, especialmente uma criança em desenvolvimento. Planeje algo divertido para fazer junto com seu filho depois que ele terminar a tarefa. Pode não parecer, mas isso também ajuda a melhorar a concentração das crianças. Mesmo crescendo rapidamente, todas as crianças precisam de tempo para se divertir. E elas também precisam de um pouco de tempo de qualidade na sua companhia!

Este material foi traduzido do site Red Tricycle. O texto original (em inglês) pode ser lido aqui.

Seu filho não sai do celular? Veja como trazê-lo de volta!

Relaxar um pouco diante da tela do computador, do celular ou do tablet é ótimo. Mas o que você faz se uma sessão de vídeo de uma hora leva a outra e depois outra e outra? Como resolver se seu filho não sai do celular?

Nicole Mains, 38 anos, se viu cedendo cada vez mais aos equipamentos eletrônicos após o nascimento de seu terceiro filho. Em uma típica manhã, seu filho mais novo, agora com 2 anos, entrava na cama e uma das primeiras coisas que ele dizia era “telefone”. 

Cansada demais para dizer não, ela lhe entregava um telefone para que ele pudesse assistir a programas como “Peppa Pig” por 45 minutos. Então seu filho de 4 anos acordava. Uma briga aconteceria pelo telefone – terminando com ela entregando um laptop ao menino mais velho. 

Já sua filha de 6 anos geralmente gasta em média duas horas por dia devorando vídeos do YouTube ou programas como “Barbie Life in the Dreamhouse”. Durante as refeições, ela olha para uma tela.

Quando a família sai para comer, geralmente duas vezes por semana, Mains tenta evitar distrair os filhos com telas – ela traz lanches, adesivos e atividades. Mas à medida que a refeição avança, as telas são exibidas cerca de 80% das vezes.

Este não é o futuro que Mains imaginou.

Sua história, no entanto, não é diferente da de tantos outros pais que desejam que seus filhos passem menos tempo envolvidos com dispositivos digitais. “É quase como uma droga. Eles se tornam garotinhos zumbis”, ela diz. Se, como Mains, você estiver procurando maneiras de trazer suas crianças de volta, não perca as dicas a seguir:

Quanto é muito?

Cada família define quanto tempo considera excessivo para o uso de equipamentos eletrônicos. Alguns acreditam que o ideal é não mais de uma hora por dia, em média, durante a semana, para crianças de 2 a 5 anos. Outros adotam uma abordagem mais liberal. O importante é que toda a família concorde com a linha definida. 

Leia também:
4 ideias para criar crianças melhores em 2020

Se você está tendo problemas para descobrir quando e onde traçar essa linha, pense no tempo que seu filho passa no computador, celular ou tablet, afirma Dimitri Christakis, diretora do centro de saúde infantil, comportamento e desenvolvimento do Instituto de Pesquisa Infantil de Seattle, nos Estados Unidos. Uma pergunta interessante a se fazer é: o que você ou seus filhos estariam fazendo se não estivessem olhando para uma tela?

Olhar fixamente para uma tela na mesa de jantar ou durante uma reunião de família pode estar substituindo conversas e vínculos significativos entre os membros da família.

“Mesmo o melhor conteúdo não deve substituir essas outras atividades críticas de desenvolvimento e social”
Dimitri Christakis, diretora do centro de saúde infantil, comportamento e desenvolvimento do Instituto de Pesquisa Infantil de Seattle

Quando você viaja em um espaço confinado como um avião ou um carro, é uma história diferente, acrescenta. Nesses casos, o tempo de tela pode evitar birras, brigas e olhares sujos de outros passageiros. 

Depois de decidir por quanto tempo e sob quais circunstâncias você permitirá o uso de equipamentos eletrônicos, o próximo desafio começa: definir e fazer cumprir as regras.

Escolha suas batalhas e vença-as

Na opinião de Christakis, ao gerenciar o tempo de uso de equipamentos eletrônicos entre crianças até os 6 anos de idade, você pode vencer qualquer batalha. “Mas isso requer perseverança e consistência”, destaca. As crianças, acrescenta a especialista, precisam entender que sua posição é inegociável.

De acordo com a psicóloga social Susan Newman, especialista em maternidade, você deve estabelecer as regras da casa e segui-las. Deixe seu plano claro desde o início. “Isso ajudará muito a manter a paz”, alerta. “Assim ele sabem o que esperar, sabem que é assim que vai ser”, detalha.

Crianças com idade suficiente para se manifestar na tomada de decisões podem ser envolvidas. Diga a eles que eles têm um tempo fixo para usar o tablet e pergunte: “Como você deseja usá-lo? E quando você quer usá-lo?”.

Outra abordagem é reservar um tempo para você também ficar longe dos dispositivos digitais. Considere fazer isso não apenas para seus filhos, mas também para você, para mostrar a seus filhos que você pratica o que prega. 

Se seus filhos desafiarem suas novas regras – e você pode apostar que eles vão -, permaneça firme e tente manter a calma. “Estamos vivendo numa cultura de dizer sim aos filhos o tempo todo. Não queremos ver nossos filhos infelizes por um único segundo, e é isso que torna ainda mais difícil para os pais retirar deles os dispositivos digitais”, explica Susan Newman.

“Os pais gostam de evitar confrontos, explosões e birras, especialmente em um ambiente de férias onde outros parentes estão por perto”.
Susan Newman, psicóloga social

Não se preocupe: restringir certos benefícios pode ajudar as crianças a criarem resiliência, afirma Newman, pois “quando elas forem para o mundo real, também terão limitações”.

Encontre novas atividades

Não é necessário dizer que, se você estiver retirando um objeto valorizado de uma criança, precisará se preparar para reclamações ou birras. Por isso é importante praticar empatia. “Diga a eles que você entende que isso será doloroso para eles”, ensina Newman.

Depois, dê-lhes algumas opções. Eles gostariam de jogar um jogo de tabuleiro? Ir para a biblioteca? Ler um livro? 

“Adoro coisas engraçadas ou dramáticas, como jogos de charada, kits de mágica ou coisas assim. Acho que, quando as crianças sentem essa satisfação natural da diversão que advém desses jogos mais sociais, fica mais fácil substituir o uso da mídia ”, afirma Jenny Radesky, professora assistente de pediatria no Hospital Infantil CS Mott da Universidade de Michigan e principal autora das diretrizes da Academia Americana de Pediatria sobre o uso da mídia entre crianças pequenas.

Leia também:
Descubra a melhor atividade física para cada faixa etária

Outra dica da doutora Jenny Radesky é que, ao jogar jogos digitais, você procure aqueles que não possuem vários níveis ou “recompensas enigmáticas”. Procure conteúdo mais aberto e livre, como aplicativos que permitem que as crianças se tornem contadoras de histórias e participem de peças criativas virtuais, por exemplo. “Eu digo aos pais: escreva uma programação diária, torne-a visual”, orienta.

Se eles seguirem um cronograma, as crianças poderão ter uma transição mais suave de uma atividade para outra. 

Finalmente, considere a possibilidade de comprar jogos de tabuleiro de baixa tecnologia. Você também pode optar por dar a seu filho experiências, como uma aula de arte ou uma visita a um museu.

Quebre as regras, mas apenas brevemente

Apesar de todas as preocupações sobre o uso de dispositivos eletrônicos entre as crianças, às vezes eles são uma salvação. Até mesmo os pais mais experientes estão abertos a modificar suas regras mais estritas.

Radesky relembra uma recente viagem à França durante a qual seus filhos assistiram a vídeos sem parar para o voo de oito horas. “Eles ficaram acordados a noite toda porque nunca recebem oito horas da mídia em casa”, afirma.

Mas, assim que saíram do avião, a farra da tela terminou. A Dra. Radesky não tomou nenhum comprimido na viagem. Em vez disso, seus filhos assistiram ao entretenimento oferecido pela companhia aérea. E eles mesmos perceberam o quão cansativo é escolher vídeos em vez de dormir. “Às vezes, as crianças vão exagerar e depois vão se arrepender. Os pais devem estar abertos a esses momentos de ensino também”, explica.

Fonte: Este material foi retirado do suplemento Parenting, do New York Times.
Texto original: https://parenting.nytimes.com/culture/reducing-screen-time-kids?rank=4&position=0

Troque brinquedos por experiências e crie belas memórias com seu filho

O quarto das crianças (e também sua varanda, sua sala de estar, seu closet…) está cheio de brinquedos com os quais seu filho raramente brinca? A maioria dos pais pode atestar a grande quantidade de brinquedos não utilizados que ocupam espaço demais em suas casas. E a maioria das crianças tem dificuldade em largar seus brinquedos favoritos.

No entanto, um estudo publicado na revista Infant Behavior and Development, descobriu que um ambiente com menos brinquedos é realmente melhor para as crianças e a necessidade do brinquedo “do momento”, além de estressar os pais, tem pouco benefício para o desenvolvimento do seu filho.

Então, da próxima vez que você tiver que dar um presente, ofereça ao seu filho uma dessas ideias, troque brinquedos por experiências e crie belas memórias com seu filho:

1) Crie memórias efetivas com uma divertida experiência familiar

Uma sessão de cinema, teatro, show musical, exposição ou evento esportivo são um presente divertido para toda a família. E as memórias criadas com este tipo de experiência estão muito além daquilo que um brinquedo pode proporcionar.

2) Visite lugares novos

Quantos lugares legais há na sua cidade que, muitas vezes, nem você conhece? Um museu, zoológico, um parque público. Além do caráter de “coisa diferente”, seu filho também pode fazer novos amigos!

3) Tenha um estoque variado de materiais de artes e artesanato

Isso pode proporcionar infinitas horas de criatividade e diversão. Compre itens como papel colorido, pompons, limpadores de cachimbo, miçangas, tintas, marcadores, giz de cera e adesivos, só para citar alguns. Adicione um livro de “coisas para fazer” cheio de ideias e pronto! Aproveite e pegue também um livro de colorir para adultos e faça disso um programa de família!

4) Dê ao seu filho algo que ele aguarde ansiosamente todo mês.

Um exemplo são os clubes de assinatura. Há tantas opções para crianças, incluindo livros, brinquedos educativos, kits de culinária e de ciências.

5) Dê ao seu filho aulas e atividades como os programas da The Little Gym

Existem aulas  específicas para crianças e contribuem para o desenvolvimento dos pequenos de uma forma divertida! Se você está procurando um presente para a lista de desejos de um filho ou organizando a festa de aniversário dele, pense fora da caixa e ofereça algo que leve a experiências divertidas, aprendizado, desenvolvimento e um tempo mais valioso para a família!

Para saber mais sobre a The Little Gym, fale com a gente.

5 dicas de segurança na Internet para manter as crianças seguras on-line

Nos dias de hoje, é inevitável que seu filho seja exposto a telas (muitas delas) e, em algum momento, tenha acesso à navegação na Internet. A internet oferece muitos benefícios, incluindo recursos educacionais, jogos divertidos e também permite que você acompanhe seus entes queridos em qualquer lugar do mundo onde estejam. Mas a internet também pode ser um lugar assustador e pode representar alguns riscos sérios, a menos que sejam tomadas as devidas precauções. Com histórias recentes em todas as notícias, é importante lembrar que há muitas coisas que os pais podem fazer para manter seus filhos em segurança on-line. Confira estas 5 dicas de segurança na internet para crianças:

  1. Verifique, atualize e aumente suas configurações de privacidade. Você não apenas pode proteger a si mesmo (e ao seu computador) contra vírus da Internet, mas também pode definir restrições contra o acesso a determinados sites e conteúdo.
  2. Definir limites de tempo na frente da tela: 30 minutos por dia e somente após o dever de casa e outras tarefas serem concluídas. Para referência, a Academia Americana de Pediatria recomenda não mais do que 1 hora de tempo de tela de alta qualidade para crianças de 2 a 5 anos. Menos tempo de tela é igual a mais tempo para correr e jogar.
  3. Mantenha seus filhos à vista quando estiverem navegando na web. As crianças são curiosas, mas são menos propensas a procurar conteúdo impróprio se souberem que a mãe está sempre ao redor. Se eles encontrarem algo inapropriado, converse com eles para que não se sintam envergonhados ou temam perder os privilégios.
  4. Verifique o histórico de navegação do seu computador com frequência. Monitore quais sites seu filho está visitando regularmente. Se você se deparar com algo questionável, tenha uma conversa muito direta com ele sobre o que estava visualizando e defina as expectativas da Internet.
  5. Fale com eles sobre sua reputação on-line e ajude-os a entender que o que uma pessoa posta on-line é para sempre. É importante que as crianças aprendam que tudo o que dizem ou compartilham on-line é público. Certifique-se de que ele nunca compartilhe qualquer informação pessoal com estranhos, incluindo seu nome ou endereço.

Mais importante ainda, crie uma conversa aberta com seu filho sobre o uso e a segurança da internet. Isso o ajudará a se sentir mais à vontade ao abordar você com perguntas sobre o conteúdo que encontrou on-line. A internet não tem que ser um lugar assustador, use essas dicas para manter toda a sua família segura online!

5 maneiras fáceis de se relacionar com seu bebê

Navegar pelo mundo como novos pais pode parecer estar em um redemoinho. Você está começando a conhecer esse pequenino que entrou em sua vida e abalou seu mundo – mas de um jeito bom! Embora os bebês novos não façam muito mais do que comer, dormir e fazer cocô, há muitas pequenas coisas que você pode fazer para construir suas habilidades como pai e mãe para ajudar a estabelecer esse vínculo crucial entre pais e filhos. Estabelecer um vínculo forte com seu bebê desde o início é extremamente importante para seu crescimento e desenvolvimento. Confira essas 5 maneiras simples de se relacionar com seu novo pacote de alegria!

  1. Enquanto se alimenta, seja através de amamentação ou mamadeira, mantenha seu bebê perto para que eles possam ouvir seu batimento cardíaco, pois isso soa muito como o que ouviram quando estavam no útero.
  2. Converse com seu bebê. Mesmo que eles não possam responder a você, converse com eles. Eles estão ouvindo sua voz há meses e sua voz pode ser reconfortante para eles! Narrar atividades diárias, como trocas de fraldas (todas as 275 delas), alimentação, hora do banho e brincadeiras.
  3. Segure-os. Não, você não pode segurar seu bebê! Não é apenas mantendo seu bebê recém-nascido que fará com que ele se sinta mais seguro, mas também ajudará você a se sentir mais ligado a ele.
  4. Dê uma massagem no seu bebê. A massagem infantil é uma ótima prática antes da cama e pode ajudar a reduzir o estresse do bebê, aumentar a circulação e relaxar os músculos.
  5. Inscreva-se em um programa projetado para bebês e seus pais! As aulas do Little Gym’s (Pais e Filhos) para bebês de 4 a 10 meses são uma ótima maneira de se relacionar com seu bebê e conhecer outros pais e mães! Para saber mais e se inscrever em uma aula, visite-nos.

Construir confiança e ligação com o bebê requer tempo, atenção, gentileza, paciência e carinho. Com estas 5 dicas você pode construir uma conexão com seu bebê que durará a vida toda!

Dicas para desenvolver um hábito de leitura precoce para crianças

Como mãe, você é a primeira a influenciar o cérebro do seu filho. Repetidas vezes, estudos mostraram que a leitura durante a gravidez tem um efeito positivo no desenvolvimento da criança desde o início e continua à medida que cresce. A leitura precoce demonstrou ter efeitos positivos no desenvolvimento da linguagem, nas interações e vínculos da criança com os pais e colegas, e os ajuda a aprender sobre o mundo ao seu redor. Você quer manter a curva de aprendizado na direção certa? Para isso é importante ler pra ele, mesmo antes de nascer, e incentivar a leitura diária durante toda a infância e adolescência. Confira essas dicas para tornar a leitura uma parte da rotina diária da sua família.

  1. Exponha seu filho a materiais de leitura, seja em casa ou com idas semanais a uma biblioteca local, na sua cidade. Dar a ele oportunidades de ler com frequência aumentará seu interesse pela leitura.
  1. Reserve tempo para ler em voz alta para seu filho.Para os menores, reserve tempo todas as manhãs ou noites para lerem juntos, abraçadinhos. Para crianças mais velhas, revezem-se lendo cada página de um livro favorito.
  2. Faça disso um hábito diário.É muito comum que os horários sejam preenchidos com atividades escolares e extracurriculares, mas é importante que as crianças e os adultos reservem tempo para a leitura todos os dias. Incentive seu filho a ler por 20 minutos antes de dormir todas as noites e, com o tempo, uma história divertida fará com que ele se prenda à leitura e queira ler por mais tempo.
  3. Procure oportunidades de leituras únicas onde quer que vá.Poderia se tornar uma caça ao tesouro de leitura! Em um restaurante? Peça ao seu filho para ler o No carro? Peça ao seu filho para ler as placas da rua. Fazendo o jantar ou uma sobremesa divertida? Peça ao seu filho para ler o caderno de receitas. Compras de supermercado? Peça-lhe que leia os preços. As possibilidades de atividades de leitura para crianças são infinitas.
  4. Variedade é o tempero da vida.Exponha seu filho a uma grande variedade de livros e histórias. Cada novo livro expõe uma criança a novas informações, conceitos, lugares e pessoas!
  5. Certifique-se de escolher materiais de leitura apropriados para a idade, sobre tópicos interessantes, para que as crianças não desanimem ou fiquem entediadas.
  6. Não se esqueça de fazer a leitura divertida!Escolha livros que interessem ao seu filho e crie vozes bobas para diferentes personagens ou ações. Isso ajudará a manter a atenção do seu filho. Mantenha-o envolvido fazendo perguntas, o que ajudará na compreensão do texto.
  7. Sempre mostre interesse na leitura do seu filho.Demonstrando interesse e fornecendo elogios genuínos e positivos, as crianças estarão mais propensas a continuar trabalhando em prol de bons hábitos de leitura.

Você se lembra da sua história favorita quando criança? Crie essas novas memórias felizes com seus filhos com um hábito de leitura para toda a vida. Considere recompensar seu filho com um dia divertido no The Little Gym. Estabelecer bons hábitos em crianças precisa ser uma prioridade durante todo o ano para estabelecer as bases para um estilo de vida saudável à medida que elas crescem.

A importância do jogo criativo para crianças

O jogo criativo é uma parte vital do desenvolvimento infantil. Através do jogo criativo e imaginativo, as crianças podem crescer emocionalmente, socialmente, intelectualmente e até fisicamente. Experiências criativas ajudam a criança a desenvolver essas habilidades e a compartilhar seus pensamentos, sentimentos e ideias. A exposição de crianças a oportunidades criativas contribui e promove seu desenvolvimento. Encontrar maneiras de jogar criativamente não precisa ser estressante ou levar muito tempo. De fato, a superestrutura é o oposto do jogo criativo. Cada pequeno passo em direção ao desenvolvimento de habilidades de uma criança é um marco importante em seu crescimento e felicidade.

Quais ferramentas eu preciso?

Ideias para brincadeiras criativas e imaginativas estão disponíveis ao nosso redor. Muitas vezes negligenciamos as coisas simples, que para uma criança não são tão simples. Quantas vezes você vê uma criança pequena olhando para uma folha e virando-a para olhar os detalhes. Habilidades motoras emocionais, cognitivas e finas se desenvolvem com a introdução das coisas simples. Tente usar alguns desses utensílios domésticos para criar jogos, contar histórias ou apenas se divertir com eles:

  • Esponjas
  • Papel
  • Papelão e caixas
  • Fita
  • Pintura
  • Marcadores, lápis de cera ou lápis
  • Materiais de moldagem, como argila

Desenvolvimento Emocional: O jogo criativo promove o desenvolvimento social e emocional, integrando sentimentos com tarefas. Peça ao seu filho para pintar, desenhar ou contar uma história sobre como está se sentindo. Esses tipos de atividades ajudam as crianças, que não são capazes de verbalizar, expressar seus sentimentos. Com o tempo, as crianças aprenderão a expressar seus sentimentos com segurança e criatividade, permitindo que elas se integrem em ambientes sociais e regulem seu comportamento de forma mais apropriada.

Desenvolvimento Social: As crianças podem crescer e aumentar seu desenvolvimento social quando têm oportunidades de brincar e interagir com os colegas. Cantar, dançar, vestir-se e outras formas de brincar são algumas áreas em que as crianças são capazes de crescer e desenvolver habilidades básicas de comunicação e interação social.

Desenvolvimento Intelectual: Através do jogo criativo, as crianças podem aprender habilidades importantes para resolver problemas. A leitura, por exemplo, dá às crianças a oportunidade de expressar suas imaginações e explorar um mundo fora delas, ajudando a melhorar as habilidades intelectuais e cognitivas. Isso também forma a base da compreensão e retenção de leitura e dá o tom para a solução de problemas mais complexos à medida que crescem e se desenvolvem.

Desenvolvimento Físico: Se seus filhos estão dançando ao ritmo de sua própria batida, ou explorando os grandes espaços ao ar livre, o jogo criativo ajuda a desenvolver habilidades motoras, coordenação e controle. Construir habilidades motoras requintadas requer prática e prepara o terreno para melhorar a coordenação dos olhos e a memória muscular.

Proporcionar às crianças oportunidades criativas para brincar permitirá que elas desenvolvam essas importantes habilidades, além de proporcionar-lhes a oportunidade de explorar e aprender sobre o mundo ao seu redor. Atividades com foco em crianças, como a The Little Gym, podem ser outra ótima opção para famílias ocupadas oferecendo programas apropriados para cada idade, inclusive aos sábados.

 

 

Dicas para criar crianças resilientes

As crianças precisam aprender a resiliência? Resiliência é a capacidade de se recuperar rapidamente de situações difíceis. Assim como qualquer outra habilidade ou marco de desenvolvimento infantil, a resiliência precisa ser ensinada e praticada. Em sua vida (sabemos que você pode atestar) as crianças experimentarão o fracasso, o sofrimento, a luta, o conflito e até a incerteza. O pensamento resiliente dá às crianças as habilidades necessárias para administrar o medo e a ansiedade ao vivenciar situações difíceis e, permite assim que elas se sintam bem e de certa forma acolhidas, dando-lhes o impulso para se recuperarem e tentarem novamente. Confira estas 5 dicas sobre como dar confiança às crianças e criar resiliência em seu filho.

  1. Deixe as crianças cometerem erros. As crianças precisam falhar para aprender com seus erros. Quando as crianças sabem que podem tentar de novo, e novamente, realizar uma tarefa, elas não ficarão tão desapontadas por fracassarem. Para citar William Edward Hickson: “Se no início você não conseguir, tente novamente.”
  2. Tente evitar ser um pai helicóptero. Claro, você quer manter seu filho seguro, mas rodeá-lo e envolvê-lo com joelheiras e capacete toda vez que eles tentarem descer no escorregador no parque não o ajuda a construir resiliência. Permita que seu filho corra riscos apropriados e, por sua vez, ensine-o habilidades essenciais para assumir riscos, construa confiança e auto-estima e veja-o florescer!
  3. Ajude seu filho a aprender como administrar suas emoções. Se seu filho está passando por estresse, raiva, tristeza ou sentimentos de mágoa, é importante ensinar a ele que sentir e expressar suas emoções é normal e ok! Converse sobre como ele se sente e procure oportunidades para “tirar essa cara brava”, por assim dizer, e ensine a superar os obstáculos.
  4. Ensine-os habilidades vitais para resolver problemas. Você nem sempre estará presente para ajudar seu filho (é a verdade!). Portanto, precisamos ensiná-los a solucionar seus problemas. Se o seu filho estiver com dificuldades para calçar o sapato, dê um tempo antes de intervir. Ao permitir que seu filho solucione problemas sozinho, você não está apenas ajudando-o a desenvolver habilidades importantes, mas também está ensinando-o a ser uma criança mais confiante!
  5. Lidere pelo exemplo. As crianças aprendem a maioria das coisas que sabem de seus pais e isso pode ser uma coisa realmente boa. Se você der o exemplo e praticar o que está ensinando a seus filhos, você  fundamentará a maneira como espera que seu filho aja. Da próxima vez que você estiver preso no trânsito e estiver prestes a “explodir”, pense em como você gostaria que seu filho lidasse com uma situação semelhante. Isso pode mudar sua reação!

Ajudar seu filho a construir resiliência irá ajudá-lo a ter confiança para perseverar em situações difíceis. Esta é uma habilidade que irá beneficiá-lo na infância, adolescência e até na idade adulta! Para saber mais sobre os programas do The Little Gym e encontrar um local perto de você, visite-nos.

5 dicas para preparar seu filho para a Volta às Aulas

Enquanto ainda estamos aproveitando os dias preguiçosos (ou não tão preguiçosos) do verão, o novo ano escolar está se aproximando rapidamente. Para algumas crianças, começar um novo ano escolar pode ser difícil. Ajude a preparar seu filho para o novo ano letivo com cinco coisas que você pode fazer neste verão para voltar às aulas.

  1. Faça a rotina de sono do seu filho voltar ao normal ANTES da escola começar. Há algo sobre o verão que deixa um pouco mais de leniência, mas antes que saibamos, o primeiro dia de aula é amanhã e seu filho não pode dormir. É por isso que é importante que seu filho volte a dormir regularmente alguns dias antes do primeiro dia de aula, para garantir que eles tenham uma boa noite de sono e sejam capazes de acordar e ter um ótimo primeiro dia de volta.
  2. Esteja à frente do jogo e registre seu filho para suas atividades extracurriculares e depois da escola, como The Little Gym! Dessa forma, seu filho pode ir direto para a rotina do novo ano escolar.
  3. Se seu filho estiver no ônibus escolar pela primeira vez este ano, é melhor prepará-lo antes do tempo. Andar de ônibus pela primeira vez pode ser assustador para você e seu filho.
  4. Configurar um recanto de lição de casa! Ter uma área designada em sua casa para fazer o dever de casa ajudará a encorajar seu filho a realmente fazer o dever de casa. Preencha a área com material escolar e decorações educativas, como lápis, papel, réguas, mapas e calculadoras.
  5. Escolha a leitura do verão. Qualquer hora que você possa levar seu filho para ler é ótimo! Programe o tempo de leitura todos os dias para garantir que seu filho esteja aprendendo alguma coisa útil durante as férias.

Atividades com foco em crianças, como o The Little Gym, são uma ótima opção para famílias ocupadas que oferecem programas apropriados para a idade, disponíveis depois da escola, nos fins de semana e até mesmo nas férias de verão, como nossa Colônia de Férias.